EUA têm dúvida de que Itália possa entrar no grupo negociador sobre Irã

Roma, 11 jun (EFE) - A Casa Branca expressou hoje dúvidas sobre a possibilidade de que a Itália possa entrar, como pretende, no grupo de seis países que negociam com o Irã o programa nuclear iraniano. Esse será um dos assuntos discutidos amanhã, em Roma, entre o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e o primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi.

EFE |

Na reunião eles também debaterão a ajuda ao Afeganistão e os preparativos para a cúpula do Grupo dos Oito (G8, sete nações mais ricas do mundo e a Rússia), em julho, no Japão.

A Itália, que é o aliado europeu com maior volume comercial com o Irã, expressou seu desejo de entrar no grupo negociador, composto pelos cinco países-membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU e a Alemanha.

Em declarações a bordo do avião Air Force One que levava Bush a Roma, a assessora da Casa Branca para Assuntos Regionais Judy Ansley afirmou que "o Governo italiano está há tempo pedindo para ser incluído, e, obviamente, está nas conversas relacionadas, mas se será admitido, não sei o quão realista é isso".

Antes, os Estados Unidos se mostraram abertos à entrada da Itália no grupo, mas a Alemanha disse que prefere que o formato se mantenha inalterado.

O alto representante para a Política Externa e a Segurança Comum da União Européia (UE), Javier Solana, viajará para Teerã na próxima semana para apresentar um novo conjunto de incentivos às autoridades iranianas em nome do bloco.

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, se mostrou favorável à Itália durante sua visita a Roma por ocasião da cúpula alimentícia da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO).

Em seu encontro de amanhã, Bush e Berlusconi falarão do pedido italiano à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) para aumentar seu espaço de atuação no Afeganistão, que o novo Governo em Roma acredita ser muito limitado.

Durante sua visita de 48 horas à capital italiana, Bush se reunirá com o presidente italiano, Giorgio Napolitano, e será recebido em audiência no Vaticano pelo papa Bento XVI.

A visita de Bush à Itália é a sexta em seu mandato e é considerada um gesto de amizade para com Berlusconi, considerado um "velho amigo". EFE mv/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG