EUA: setor da aviação continua vulnerável ao terrorismo

O setor da aviação continua vulnerável ao terrorismo, declarou nesta quarta-feira o secretário americano de Segurança Interna, Michael Chertoff, um dia antes do sétimo aniversário dos atentados de 11 de setembro de 2001, nos quais morreram mais de 3.000 pessoas.

AFP |

"A Al-Qaeda continua se concentrando na aviação, que é o setor que querem atingir", disse. No entanto, afirmou em seguida: "Não acredito que restem dúvidas sobre o fato de que estamos mais seguros agora".

"A Al-Qaeda diminuiu duramente no Iraque", disse Chertoff, falando no National Press Club de Washington. A imagem da rede "sofre um desprestígio" no mundo árabe, acrescentou.

Chertoff enumerou várias medidas de segurança tomadas desde o 11 de setembro. "Há sete anos, não tínhamos um sistema biométrico", destacou.

O secretário explicou, contudo, que não há com o que se preocupar em relação ao chamado "espírito do 10 de setembro", ou seja, com uma excessiva "complacência" com a ameaça terrorista.

Entre as possíveis ameaças, Chertoff citou o Hezbollah, "um grupo bem armado que representa um desafio sério", e a guerrilha colombiana das Farc, além da facção criminosa centro-americana Mara Salvatrucha (MS-13).

No que diz respeito aos meios utilizados na luta contra o terrorismo, Chertoff estimou que "renunciar à opção militar e tratar com os terroristas seria como voltar à situação anterior ao 11 de setembro".

emp/ap/LR

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG