EUA se reuniram com rede Haqqani, revela Hillary Clinton

Sem dar detalhes, secretária de Estado diz que EUA fazem acenos ao Taleban e a grupo paquistanês para chegar a processo de paz

iG São Paulo |

Os EUA mantiveram um encontro com representantes da rede militante Haqqani , revelou nesta sexta-feira a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, durante visita à capital do Paquistão, Islamabad. Ela, porém, não deu detalhes sobre quem esteve envolvido ou onde foi o encontro, apenas afirmando que a reunião preliminar teve como objetivo ver "se eles iam aparecer". "Na verdade, o governo paquistanês nos ajudou a facilitar tal encontro", afirmou.

AP
Secretária dos EUA, Hillary Clinton (E), é observada pela chanceler paquistanesa, Hina Rabbani, durante coletiva em Islamabad
Uma autoridade graduada americana afirmou que o encontro ocorreu no verão (entre junho e setembro no Hemisfério Norte), antes de vários grandes ataques contra interesses dos EUA no Afeganistão. Em Islamabad, Hillary conclamou o governo paquistanês a pressionar a rede militante.

Em relação à reunião com os haqqani, Hillary acrescentou: "Fizemos acenos à milícia islâmica do Taleban, à rede Haqqani para testar sua boa vontade e sinceridade (em se engajar em um processo de paz), e agora trabalhamos entre nós - Afeganistão, Paquistão e EUA - para tentar elaborar um plano que nos direcione a uma negociação."

Relatos sobre tais encontros circularam durante o verão , mas na época os EUA se recusaram a confirmá-los oficialmente. De acordo com a fonte graduada americana, o encontro ocorreu após pedido do serviço de inteligência paquistanês (ISI), que requereu a Washington que desse uma chance ao grupo.

Os EUA acusaram a Haqqani pelo recente ataque contra sua embaixada na capital do Afeganistão , Cabul. Em setembro, o chefe em fim de mandato do Estado-Maior Conjunto dos EUA, Mike Mullen, disse que a rede é um "braço" da agência de inteligência do Paquistão , acusando a ISI de apoiar diretamente o grupo.

Islamabad rejeitou as acusações. No mês passado, o primeiro-ministro Yousuf Raza Gilani disse que o país "não se curvará perante a pressão dos EUA" sobre o combate à militância.

Mais cedo, Hillary manteve um diálogo com a chanceler Hina Rabbani Khar, que disse que mais poderia ser alcançado com melhor cooperação internacional. "Refúgios existem. Sim, em ambos os lados (da fronteira de Paquistão e Afeganistão", disse. "Precisamos cooperar? Sim."

As relações entre os EUA e o Paquistão estão em sua pior situação em uma década. Depois de meses de tensão, Hillary lidera uma delegração graduada que inclui o chefe da CIA, David Petraeus, e o novo chefe do Estado-Maior Conjunto Martin Dempsey.

Falando em Cabul na quinta-feira, Hillary pediu uma nova parceria entre EUA, Afeganistão e Paquistão para combater os militantes, com ela pedindo que eles busquem a paz. Ela disse que o Paquistão "deve ser parte da solução" para o conflito afegão.

*Com BBC

    Leia tudo sobre: afeganistãopaquistãoeuatalebanhaqqani

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG