Londres, 25 fev (EFE).- Os Estados Unidos se negam a libertar o último residente britânico que está na base americana de Guantánamo, em Cuba, informa hoje o jornal The Independent.

Trata-se de Shaker Aamer, de 42 anos e que afirma ter sofrido agressões e torturas durante o cativeiro nesse campo americano em território cubano.

A esposa do detido, Zin Aamer, de 33 anos, que mora em Londres, disse ao "Independent" que os filhos não entendem por que o pai não voltou de Guantánamo junto com outro detido britânico, Binyam Mohammed, que pôde voltar na segunda-feira ao Reino Unido.

Aamer, a esposa e os três filhos deixaram Londres em 2001 com destino ao Afeganistão, onde Shaker se propunha a trabalhar em uma organização de ajuda à infância.

No entanto, Aamer, de origem saudita e que se estabeleceu no Reino Unido em 1996, foi detido em dezembro de 2001 por forças dos Estados Unidos, que o acusaram de ser um militante talibã.

A organização britânica de direitos humanos Reprieve, que o defende, afirma que ele foi vendido por alguns aldeães à Aliança do Norte afegã, que por sua vez o vendeu aos americanos.

Aamer foi levado primeiro a Bagram, a maior base americana no Afeganistão, e depois a Guantánamo, onde durante mais de quatro anos ficou detido na solitária, porque os guardas da prisão achavam que exercia uma influência excessiva sobre os outros detidos.

A última notícia direta que Zin Aamer teve do marido foi uma carta que recebeu em agosto do ano passado.

Os advogados de Aamer apresentaram um documento de 16 páginas no qual exigem que ele possa sair da célula de isolamento em Guantánamo.

Os advogados acham que funcionários britânicos ajudaram os americanos durante os primeiros interrogatórios a Aamer no Afeganistão e em Guantánamo.

O Governo britânico pressionou recentemente o americano para que coloque Aamer em liberdade.

Um porta-voz do Ministério de Assuntos Exteriores britânico disse ao jornal que os americanos não estão dispostos a libertá-lo, por considerarem que representa um perigo para a segurança. EFE jr/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.