Macarena Vidal. Pittsburgh (EUA.), 25 set (EFE).

- Estados Unidos, França e Reino Unido denunciaram hoje uma instalação nuclear secreta do Irã que representa "um desafio direto" à comunidade internacional e exigiram de modo taxativo inspeções internacionais "exaustivas" Em pronunciamento aos meios de imprensa antes do início da cúpula do Grupo dos Vinte (G20, os países ricos e os principais emergentes) em Pittsburgh, os três líderes asseguraram, em uma linguagem dura, que o Irã deve cooperar com as inspeções "totalmente e de maneira substancial".

"Esta instalação aprofunda a crescente preocupação de que o Irã se recusa a respeitar suas responsabilidades internacionais", disse o presidente americano, Barack Obama, lembrando que "não é a primeira vez que o Irã escondeu informação sobre seu programa nuclear", em alusão à outra instalação de enriquecimento de urânio, em Natanz, que foi divulgada em 2002.

Representantes iranianos devem se reunir no dia 1º de outubro em Genebra com EUA, China, Rússia, Reino Unido, França e Alemanha para abordar seu programa nuclear, em um encontro que ganhou uma importância vital.

Segundo Obama, nessa reunião o Irã deverá oferecer uma cooperação "total e exaustiva" com o Organismo Internacional para a Energia Atômica (AIEA) e "tomar medidas concretas que criam confiança e transparência em seu programa nuclear".

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, advertiu que "se para dezembro não houver uma mudança profunda por parte dos líderes iranianos, sanções devem ser adotadas".

"Não podemos deixar que esse país ganhe tempo", disse Sarkozy, assegurando que depois que de constatada a existência da fábrica, "é preciso colocar todas as opções sobre a mesa". Em sentido similar se manifestou o britânico Gordon Brown.

A instalação secreta fica nas proximidades da cidade de Quom, a cerca de 160 quilômetros ao sudoeste de Teerã, camuflada no interior de uma montanha, segundo funcionários americanos que falaram sob a condição de anonimato.

A planta, que se soma à já conhecida em Natanz, conta com cerca de 3.000 centrífugas, uma quantidade insuficiente para enriquecer urânio com fins civis, mas sim o bastante para fabricar uma ou duas bombas atômicas por ano, segundo estas fontes.

Ainda não está operacional e faltam "pelo menos alguns meses" para poder entrar em funcionamento.

A existência desta segunda instalação já era conhecida há muito tempo pelos serviços secretos britânicos, franceses e americanos.

Segundo as fontes, quando o término da construção da unidade já era dada como certa, as três potências optaram por revelar sua descoberta à AIEA, com a esperança de que o Irã se veria obrigado a declarar a existência dessa instalação.

Assim foi feito na segunda-feira em carta enviada ao organismo, na qual Teerã diz que "uma nova planta piloto de enriquecimento (de urânio) está em construção no país" e que daria "informações complementares de forma apropriada e a seu devido tempo", revelou hoje em Viena o porta-voz da AIEA, Marc Vidricaire.

Embora a informação obtida pelos serviços secretos dos EUA, França e Reino Unido fosse de natureza "muito delicada", os três países optaram por compartilhar a maior quantidade possível de dados com as nações envolvidas nas negociações sobre o programa nuclear do Irã.

"Acreditamos que isto beneficiaria os esforços diplomáticos e que se saiba que o Irã está violando seus compromissos internacionais", explicou o alto funcionário, apontando que essa estratégia "já começou a dar frutos".

Assim, o presidente russo, Dmitri Medvedev, que se reuniu na quarta-feira passada com Obama, admitiu pela primeira vez a possibilidade de apoiar sanções.

Perante a desconfiança da comunidade internacional em relação às possíveis ambições nucleares do Irã, o Conselho de Segurança da ONU adotou três resoluções com sanções diplomáticas e comerciais, as quais Teerã não comentou.

Obama ofereceu um diálogo com o Irã se este país renunciar a seu programa nuclear, embora também tenha indicado que se Teerã não responder de maneira positiva em breve, novas sanções serão impostas. EFE mv/ma

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.