EUA revisarão política com Líbano após eleições de domingo

Beirute, 6 jun (EFE).- O secretário de Estado adjunto dos Estados Unidos para o Oriente Médio, Jeffrey Feltman, considera ingênuo pensar que a política do seu país com o Líbano não mudaria caso a oposição, liderada pelo grupo xiita Hisbolá, vença as eleições parlamentares de amanhã.

EFE |

"O resultado da eleição afeta, como é natural, a postura do mundo com o Governo libanês e a forma como os EUA e o Congresso se relacionarão com o Líbano", disse o alto funcionário americano em entrevista publicada na edição de hoje do jornal "An-Nahar".

"Acho que os libaneses são suficientemente inteligentes para compreender que isso afetará as relações, e não acreditarão quando o Hisbolá assegurar o contrário", apontou.

Os libaneses vão amanhã às urnas para renovar o Parlamento, de 128 cadeiras. O pleito é realizado a cada quatro anos.

Feltman também fez menção ao histórico discurso do presidente americano, Barack Obama, na última quinta, no Cairo, especialmente a parte em que pediu o respeito às minorias religiosas.

"Espero que os libaneses se perguntem se querem estar ao lado da comunidade internacional e próximos às posturas do presidente Obama", comentou.

O alto funcionário lembrou que Obama "rejeitou a violência como meio para alcançar objetivos políticos", pedindo que os eleitores libaneses "levem estas palavras em conta" na hora do voto amanhã.

EFE.

ks/dp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG