EUA registram menor nível de construção de casas desde 91

O Departamento de Comércio dos Estados Unidos informou nesta sexta-feira que o setor de construção de casas no país caiu ao seu nível mais baixo em quase 18 anos. O número de novas casas e apartamentos construídos no país em setembro caiu 6,3%, comparado com o mesmo mês de 2007.

BBC Brasil |

A queda foi muito maior do que o índice de 1,6% previsto anteriormente por analistas do setor.

De acordo com especialistas, o setor de construção de casas e apartamentos vai permanecer em queda durante o ano de 2009 e só deverá ter crescimento novamente quando o setor bancário e a economia apresentarem recuperação.

Os números ganham importância porque o setor imobiliário ocupa uma posição central na atual crise econômica americana.

Com a crise, a maioria dos americanos que querem comprar um imóvel no país não tem o dinheiro para o primeiro financiamento, ou os próprios bancos têm sido relutantes na hora de emprestar.

Sem esses consumidores, as construtoras estão cortando o número de novas casas construídas.

Peso
O relatório do Departamento de Comércio americano mostrou que 817 mil novas casas foram construídas no país em setembro, o crescimento mais lento desde janeiro de 1991, já considerados os ajustes sazonais.

A queda na construção de apartamentos de um quarto foi ainda maior: 11% em comparação com o ano anterior, com apenas 544 mil unidades. O número é o mais baixo desde agosto de 1982.

O levantamento do governo acrescenta que a queda no setor de construção é mais pronunciada na região nordeste dos Estados Unidos.

O economista Mark Zandi, do site especializado Moody's Economy.com, afirma que a queda no setor de construção de casas é "um peso significativo na economia" e "vai continuar no próximo ano".

"Não apenas a demanda por casas está caindo, os construtores não conseguem crédito para construir", diz Zandi.

O relatório do Departamento do Comércio sobre a queda no setor de construção e os dados sobre o aumento da perda de empregos são vistos como novos sinais de que a maior economia do mundo pode estar a caminho da recessão.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG