EUA reforçam resgate em áreas isoladas por Irene

Autoridades usam helicóptero para levar suprimentos a cidades que sofrem com enchentes; número de mortos sobe para 43

iG São Paulo |

Trabalhos de resgate foram intensificados nesta terça-feira em áreas da costa leste dos EUA atingidas pelo Irene, que atingiu o país no sábado como furacão e foi reduzido para tempestade tropical no dia seguinte. De acordo com autoridades americanas, o Irene deixou 43 mortos na área continental americana e em Porto Rico. No total, a tormenta é apontada como causa de ao menos 48 mortes (antes de chegar aos EUA, a tempestade passou pelo Caribe).

Pelo menos 11 cidades do Estado de Vermont estão isoladas por causas de inundações. De acordo com o jornal The New York Times, mais de 250 estradas e 30 pontes estão parcial ou inteiramente fechadas, e autoridades usam helicópteros para entregar comida, água e outros suprimentos.

Autoridades de Vermont dizem que essa é a pior inundação no Estado desde 1927. Cidades do norte do Estado de Nova York também estão isoladas.

Além disso, cerca de 3 milhões de moradores de toda a costa leste ainda estão sem eletricidade, porque as inundações também impedem o trabalho dos funcionários das empresas de energia. Na cidade de Nova York, o metrô e os ônibus funcionam normalmente, enquanto o sistema ferroviário continua parcialmente interditado por causa de inundações em trilhos.

Na Carolina do Norte, onde o Irene tocou a terra pela primeira vez, cerca de 1 mil moradores ainda estão em abrigos de emergência, esperando para saber se é seguro voltar para casa.

O prejuízo total causado pelo Irene pode chegar a US$ 20 bilhões, segundo Beth Ann Bovino, economista-sênior do Standard & Poor's. Já em uma estimativa inicial, a firma de consultoria Kinetic Analysis Corp. calcula as perdas em US$ 7 bilhões.

Muitos desses danos podem não estar cobertos por seguros, já que as apólices para moradias geralmente não cobrem inundações.

Irene foi o primeiro furacão a tocar terra no continente americano desde 2008, e apareceu quase seis anos depois do dia que o furacão Katrina devastou Nova Orleans em 29 de agosto de 2005.

Tempestade Katia

Nesta terça-feira, a tempestade tropical Katia se formou sobre o Oceano Atlântico nesta terça-feira, tornando-se a 11ª tempestade da temporada de furacões de 2011. Segundo o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos, a Katia estava a cerca de 855 quilômetros sudoeste das ilhas de Cabo Verde e se deslocava rapidamente no sentido oeste noroeste através do Atlântico.

As autoridades dizem que ainda é muito cedo para estimar a potencial ameaça da tempestade à costa leste dos EUA ou aos interesses energéticos no Golfo do México.

Mas a Katia estava com ventos atingindo velocidades de cerca de 65 km/h e, segundo previsões, se tornaria um forte furacão de categoria 2 até o final de semana, disse o centro de furacões sediado em Miami.

Com AP e Reuters

    Leia tudo sobre: irenefuracãotempestadeeuanova york

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG