EUA reavaliam vistorias de passageiros de avião

Métodos de vistoria que irritam passageiros e congressistas usam scanners de corpo inteiro bastante reveladores e revista física

Reuters |

As autoridades americanas vão reconsiderar os procedimentos de vistoria dos passageiros de viagens aéreas que causaram furor do público na véspera de uma temporada movimentada de viagens, disse a principal autoridade de segurança no transporte dos EUA.

"Vamos examinar como podemos fazer a vistoria mais eficaz da forma menos invasiva, sabendo que há sempre um dilema entre segurança e privacidade", disse o administrador de Segurança no Transporte, John Pistole, ao programa "Today" da NBC.

"O que estou fazendo é recuar e examinar: há formas menos invasivas de fazer o mesmo tipo de vistoria?", disse ele no "Good Morning America", da ABC.

Em meio à pressão política e da população, os comentários de Pistole pareceram ser um recuo de uma entrevista concedida no domingo, na qual ele disse que não havia planos de reduzir os procedimentos, considerados pelos viajantes invasivos e uma violação ao direito de privacidade.

Ao fazer seu tour pelos programas matinais da TV americana, ele também advertiu contra a expectativa de uma mudança imediata e defendeu a eficácia dos métodos atuais. "No curto prazo não haverá mudança", disse Pistole à CNN.

Os métodos de vistoria que irritaram passageiros e congressistas usam scanners de corpo inteiro bastante reveladores e revista física nos viajantes que optam por não passar pelo scanner.

As companhias aéreas estimam que 24 milhões de pessoas viajem no feriado de Ação de Graças, elas transmitiram o descontentamento dos passageiros à autoridade de transporte.

Depois de dizer: "Não, não vamos mudar as regras", numa entrevista de televisão no domingo, Pistole divulgou um comunicado horas mais tarde dizendo que a autoridade de transporte avaliava constantemente as formas para ajustar seus métodos de vistoria.

Ele afirmou na segunda-feira que as autoridades da segurança consultariam investigadores do governo para determinar quais métodos poderiam mudar e ainda ser uma proteção contra um passageiro que represente uma ameaça à segurança.

    Leia tudo sobre: segurança aéreaaeroportoseuaterrorismo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG