WASHINGTON - Cumprindo a promessa de fazer a paz entre israelenses e palestinos uma prioridade, o governo do presidente Barack Obama mandará seu enviado para o Oriente Médio de volta à região este mês para tentar reiniciar as negociações. A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, disse nesta terça-feira que o enviado George Mitchell, cuja primeira viagem foi uma semana após a posse de Obama, retornaria ao Oriente Médio antes do final de fevereiro.



Hillary disse, ao lado de Mitchell, que os Estados Unidos estão preparados para trabalhar com "todos os envolvidos" para se progredir rumo a um Estado palestino.

Mas ela fez um apelo para que o Hamas cumpra acordos já acertados. "Eles (Hamas) devem renunciar à violência, devem reconhecer Israel, devem concordar em cumprir acordos anteriores", disse ela.

Perguntado se Hillary teria uma nova política em relação ao Hamas, o prota-voz do Departamento de Estado, Robert Wood, não indicou nenhuma mudança na política. "Eu não acredito que tenha havido alguma ambiguidade no que ela disse", afirmou Wood.

Mas o especialista em Oriente Médio Shibley Telhami disse que a maneira como lidar com o Hamas é de grande importância para o novo governo. O Hamas, isolado pela administração Bush, controla Gaza enquanto a Cisjordânia é administrada pelo presidente Mahmoud Abbas e seu movimento Fatah.

"A escolha real é se eles continuarão a somente apoiar o presidente Abbas ou se eles iniciarão uma nova política que apoie parceiros árabes a se chegar a uma reconciliação entre o Hamas e o Fatah", disse Telhami, professor da Universidade de Maryland.

Leia mais sobre Irã

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.