EUA prendem três suspeitos após investigação sobre terrorismo

Por Keith Coffman DENVER (Reuters) - Um homem do Estado norte-americano do Colorado, seu pai e um suposto cúmplice foram presos no sábado e acusados de mentir a agentes federais sobre um plano para explodir alvos não determinados nos EUA, informou o Departamento de Justiça.

Reuters |

Najibullah Zazi, 24, nascido no Afeganistão e motorista de um ônibus de aeroporto, interrogado pelo FBI por três dias, e seu pai, Mohammed Wali Zazi, 53, foram detidos em um apartamento de Aurora, no subúrbio de Denver.

Também foi preso Ahmad Wais Afzali, 37, afegão que vivia no bairro de Queens, em Nova York, disse um porta-voz do Departamento de Justiça.

"As prisões conduzidas nesta noite fazem parte de uma investigação atual e acelerada", disse em nota o vice-promotor-geral para segurança nacional, David Kris.

"É importante notar que não temos informações específicas sobre o momento, o local ou o alvo de qualquer ataque planejado", afirmou Kris.

Os três homens devem comparecer diante da Justiça na segunda-feira, Najibullah Zazi e Mohammed Zazi em Denver e Afzali, em Nova York. Se condenados, podem passar oito anos na cadeia.

De acordo com dados do inquérito, em meio aos contatos entre os três homens e as viagens de Najibullah Zazi entre Paquistão e EUA, agentes do FBI que fizeram buscas no carro alugado por Zazi em 11 de setembro encontraram um laptop com instruções sobre a fabricação de artefatos explosivos.

Zazi teria mentido aos agentes ao afirmar que nunca viu os documentos e que não os tinha escrito, mas admitiu que durante uma viagem ao Paquistão recebeu instruções sobre armas e explosivos em um campo de treinamento da Al Qaeda.

Afzali é acusado de mentir aos agentes ao afirmar em depoimento escrito que nunca alertou a Zazi e seu pai que as autoridades queriam informações sobre eles e que seus telefones estavam grampeados.

Mohammed Zazi foi acusado de falsamente negar que conhecesse Afzali e tivesse contato com ele.

As prisões vieram depois que negociações entre Zazi e autoridades federais, promovidas em três dias, aparentemente fracassarem no sábado e o suspeito se recusar a ir a uma quarta reunião, preferindo encontrar-se com seus advogados.

No início da segunda-feira, uma força-tarefa antiterrorismo fez uma série de ações na área do bairro de Queens, em Nova York, onde ele tinha ido no fim de semana. As ações surpreenderam alguns moradores, já que aconteceram dias depois do aniversário dos ataques de 11 de setembro de 2001.

(Texto de Dan Whitcomb)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG