Dois suspeitos viajariam ao Egito para se encontrar com líderes extremistas, segundo investigação

Dois suspeitos detidos na noite do último sábado no aeroporto John F. Kennedy, de Nova York, foram acusados formalmente neste domingo por conspiração para matar americanos no exterior, informou a promotoria. Mohamed Alessa e Carlos Almonte, detidos no terminal, "conspiraram para cometer, fora dos Estados Unidos (...), crimes de homicídio, sequestro e dano", diz a ata da acusação.

Segundo o documento, os dois suspeitos treinaram durante meses para integrar-se à Jihad e estavam prestes a viajar para a Somália para entrar em contato com uma organização extremista vinculada à rede terrorista islâmica Al-Qaeda.

"Duas pessoas foram detidas na noite de sábado no aeroporto Kennedy, no âmbito de uma investigação em andamento", disse na véspera o comissário-adjunto da polícia Paul Browne, sem dar maiores detalhes.

Segundo o jornal Star Ledger de Newark, os dois suspeitos estavam prestes a viajar para se reunir com um grupo extremista da Somália e ambos são acusados de conspiração para cometer atos terroristas.

Mohamed Hamoud Alessa, de 20 anos, residente em North Bergen (Nova Jersey), e Carlos Eduardo Almonte, de 26, originário de Elmwood Park, no mesmo Estado, mbarcariam em voos separados com destino ao Egito.

Segundo o jornal, após a detenção, agentes do FBI fizeram uma batida nas casas dos dois suspeitos, que eram vigiados desde 2006 por policiais disfarçados.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.