Boatos afirmavam que Wang Lijun, ex-chefe da polícia que reprimiu o crime organizado, teria pedido asilo político aos EUA

O mistério que envolve um dos mais importantes chefes da polícia chinesa ganhou um novo capítulo nesta quinta-feira, depois de o governo dos Estados Unidos ter confirmado que ele visitara um de seus consulados.

Leia também: Ativistas desaparecem sob aumento da repressão da China

Wang Lijun participa de coletiva no sudeste chinês em 2008
AP
Wang Lijun participa de coletiva no sudeste chinês em 2008

Alguns especulam que Wang Lijum buscava asilo, apesar de o Departamento de Estado ter dito que não faria comentários sobre a questão. Wang ganhou reconhecimento depois de coordenar uma repressão contra o crime organizado em Chongquing, cidade na qual também é vice-prefeito, mas foi dispensado na semana passada de seu cargo.

Uma autoridade chinesa, enquanto isso, disse que o caso de Lijun tinha sido resolvido sem problemas, mas não deu detalhes. Wang, cujas ações chefiando a polícia inspiraram um drama na TV estatal, não foi mais visto em público. Seu desaparecimento fomentou boatos na China de uma luta de poder entre ele e o poderoso secretário do Partido Comunista, Bo Xilai.

Dias de especulação sobre o paradeiro de Wang vieram à tona na quarta-feira, com reportagens na internet afirmando que ele teria buscado asilo no consulado americano, localizado próximo à cidade de Chengdu na quinta-feira depois de uma suposta briga com Bo.

Em Washington, a porta-voz do Departamento de Estado americano Victoria Nuland, confirmou que Wang marcou e teve uma reunião no consulado e depois deixou o prédio. Ela se negou a comentar se ele teria buscado um status de regugiado ou asilo político.

Ela disse que até onde sabia, o consulado não teve mais nenhum contato com Wang desde a reunião.

Funcionários de empresas próximas ao consulado de Chengdu registraram um grande número de carros de polícia na área na noite de terça-feira, mas disse que a região estava tranquila na quarta-feira.

Cui Tiankai, vice-chanceler chinês encarregado dos negócios com a América do Norte, disse que o caso de Wang foi resolvido "de maneira justa e tranquila". Questionado sobre detalhes, Cui disse não ter mais informações.

Com AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.