EUA podem contribuir para a paz no Oriente Médio, diz Obama à BBC

O presidente americano, Barack Obama, afirmou em entrevista exclusiva à BBC acreditar que os Estados Unidos podem contribuir para uma retomada séria das negociações pela paz no Oriente Médio. Obama disse ainda que houve muitos mal entendidos nas relações entre os Estados Unidos e países muçulmanos, mas que é hora de superar isso e iniciar um diálogo aberto.

BBC Brasil |


A entrevista exclusiva foi concedida na véspera de sua visita ao Oriente Médio e à Europa. Falando com o editor da BBC para os Estados Unidos, Justin Webb, Obama afirmou acreditar que seu governo vai conseguir que palestinos e israelenses voltem a dialogar seriamente.

"Não apenas é do interesse dos palestinos ter um Estado, mas é do interesse de Israel estabilizar a situação", disse ele.

"E é do interesse dos Estados Unidos que tenhamos dois Estados vivendo lado a lado em paz e segurança."

Sobre a resposta negativa de Israel ao pedido americano para a suspensão da construção de assentamentos na Cisjordânia, o presidente pediu paciência, afirmando que os dois governos ainda estão no início das conversações.

"Diplomacia é sempre um trabalho pesado e demorado. Não é uma questão de resultados rápidos. Se fosse fácil, já teria sido feito."

Irã

Sobre o Irã, Obama disse que espera ver progressos até o fim do ano através da diplomacia, mas afirmou que, em vez de impor seus valores sobre outros países, os Estados Unidos devem atuar como um modelo.

Para Obama, é do interesse mundial que o Irã deixe de lado suas ambições de obter armas nucleares, "mas a melhor maneira de se alcançar isso é através da diplomacia direta".

"Apesar de não querer estabelecer prazos artificiais para o processo, queremos garantir que haja algum avanço até o fim do ano." Obama deve chegar à Arábia Saudita na quarta-feira, na primeira etapa de sua viagem pelo Oriente Médio e a Europa.

Ele segue para o Egito no dia 4 de junho, onde deverá fazer um discurso sobre as relações americanas como mundo árabe, antes de viajar para a Europa para os eventos que marcam o 65º aniversário do Dia D - o dia em que as tropas aliadas invadiram a Normandia, na França ocupada, marcando o início da reação que levou à derrota dos nazistas na Segunda Guerra.

Obama foi criticado por sua decisão de fazer o discurso no Cairo, com grupos de defesa dos direitos humanos questionando as liberdades políticas no Egito.

O presidente reconheceu que "obviamente" há questões relacionadas aos direitos humanos em alguns países do Oriente Médio, mas afirmou que o papel dos Estados Unidos não é o de tentar ensinar, mas sim encorajar o que, segundo ele, são "princípios universais" que esses países podem "abraçar e afirmar como parte de sua identidade nacional".

"O perigo, penso eu, é quando os Estados Unidos, ou qualquer outro país, acreditam que simplesmente podemos impor esses valores a outros países com história diferente e cultura diferente", disse ele.

Em vez disso, afirmou Obama, os Estados Unidos devem "dar o exemplo".

"Parte do que queremos afirmar para o mundo é que esses valores são importantes, mesmo quando é difícil, talvez especialmente quando é difícil, e não apenas quando é fácil."

"É por isso, por exemplo, que fechar a prisão de Guantanamo é tão difícil quanto importante, do meu ponto de vista."

Obama enfrenta resistência doméstica aos planos de fechar a prisão, e críticos perguntam o que será feito dos prisioneiros que ainda são considerados um risco para a segurança americana.

Segundo o editor Justin Webb, o presidente americano decidiu falar com a BBC agora porque sua equipe quer alcançar partes do mundo onde a rede tem forte audiência.

Obama disse ainda que não há uma solução rápida para superar os problemas, mas sim "questões de política bastante reais que têm que ser trabalhadas".

"No fim das contas, serão ações, e não palavras, que vão determinar o progresso daqui para a frente", afirmou.

Leia mais sobre Oriente Médio

    Leia tudo sobre: oriente médio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG