Washington, 6 mai (EFE).- Os Estados Unidos pediram hoje a libertação da ativista iraniana Silva Harotonian, membro de uma ONG americana, que foi detida em 2008 acusada de conspirar para promover uma revolução de veludo no Irã.

Harotonian foi detida em 26 de junho de 2008 e condenada a cumprir pena de três anos pelas acusações, consideradas "infundadas" pelo porta-voz adjunto do Departamento de Estado americano, Robert Wood.

Ele ressaltou que o caso se encontra nos tribunais "pendente de uma segunda apelação", mas que, segundo os últimos relatórios, a saúde da ativista piorou, pelo isso que pediu ao Governo iraniano "que conceda a liberdade a Harotonian".

A ativista iraniana, de origem armênia, começou a trabalhar em 2007 com a ONG International Research & Exchanges Board (Irex) para facilitar programas que melhorassem a cooperação entre Irã e Estados Unidos em assuntos de saúde infantil e materna.

O trabalho de Harotonian, segundo indica a organização no site, consistia em divulgar notícias de saúde destinado a mães e filhos, "queria promover a boa vontade internacional e não tinha outro objetivo".

A ativista cumpre pena na mesma prisão na qual permanece a jornalista americana Roxana Saberi, segundo a imprensa americana.

EFE elv/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.