EUA pedem fim da violência na Guiné-Bissau

Washington, 2 mar (EFE).- O Governo dos Estados Unidos defendeu hoje o fim da violência na Guiné-Bissau, e pediu ao poder político que mantenha a ordem constitucional, após o assassinato do presidente e do chefe do Estado-Maior do Exército do país africano.

EFE |

Os EUA expressaram desta maneira sua preocupação com o assassinato do presidente João Bernardo Vieira e do chefe do Estado-Maior do Exército da Guiné-Bissau, o general Tagmé Na Wai.

"Pedimos o fim da violência e que as tarefas do Governo sejam conduzidas de maneira pacífica", declarou Gordon Duguid, um porta-voz do Departamento de Estado, que também defendeu que os autores dos assassinatos sejam levados à Justiça.

Duguid disse que a Casa Branca tomou conhecimento dos incidentes na Guiné-Bissau, mas indicou que por enquanto desconhece se mortes ocorreram dentro de uma tentativa de golpe de Estado.

Vieira foi morto hoje por soldados leais ao general Na Wai, que morreu no domingo em um atentado perpetrado em seu escritório.

Segundo a imprensa local, as duas mortes foram o desenlace de uma profunda rivalidade entre Vieira e Na Wai, que nos últimos meses se relacionavam de maneira muito tensa. EFE cae/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG