EUA pedem ajuda cidadã para identificar autores de atentado fracassado

Mar Gonzalo. Nova York, 3 mai (EFE).

EFE |

Mar Gonzalo. Nova York, 3 mai (EFE).- As autoridades americanas pediram hoje paciência aos nova-iorquinos e asseguraram que, embora estejam analisando muitas pistas sobre a autoria do atentado fracassado de sábado, em Times Square, ainda é muito importante a colaboração cidadã, já que nenhum suspeito foi identificado. "Temo que as pessoas se precipitem ao acreditar que temos uma grande pista. Pode ser, mas também pode ser que não", advertiu hoje, em declarações à imprensa, o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg. O prefeito fez referência às imagens gravadas por uma câmara de segurança que mostram um homem branco de entre 40 e 50 anos, considerado suspeito de armar o ataque. Nas imagens, o homem para na metade da rua, muito perto de onde estava estacionado o veículo carregado com bujões de propano e gasolina, relógios e material pirotécnico, entre outros elementos, tira a camisa que estava usando e continua andando enquanto olha para os lados. A atitude, "embora pareça suspeita, pode ser totalmente inocente", advertiu, por sua parte, o chefe da Polícia de Nova York, Raymond Kelly. "Se alguém souber algo sobre esta pessoa, se o reconhecer, ligue para a Polícia", pediu Bloomberg. Segundo o porta-voz da Polícia de Nova York, Paul Browne, o dono do carro bomba já foi identificado, mas por enquanto ele não é considerado suspeito. Sua localização foi dificultada pelo fato de o registro do veículo ser de outro carro, proveniente do estado de Connecticut, cujo dono tinha deixado em uma oficina para consertos. Segundo Bloomberg, "são altas" as possibilidades de se capturar os responsáveis de terem colocado os artefatos no interior do veículo estacionado em Times Square, além de uma caixa metálica com oito sacos de fertilizantes, que, segundo os investigadores, não continham explosivos. O Departamento de Segurança Nacional reiterou hoje que nenhuma via de investigação foi descartada, nem a possibilidade de que exista alguma relação com as ameaças feitas contra os responsáveis pela série "South Park", por terem incluído Maomé como personagem em um capítulo. "Por enquanto, todas as pistas devem ser investigadas", disse a secretária de Segurança Nacional, Janet Napolitano, que reconheceu que o atentado fracassado tem semelhanças com outros cometidos em outras cidades do mundo, como o planejado em 2006 em Londres por um britânico de 35 anos convertido ao islamismo. Mesmo assim, Janet e Bloomberg ressaltaram que é cedo demais para dizer se há terroristas estrangeiros envolvidos no caso. A possibilidade da participação de agentes estrangeiros foi minimizada pela imprensa local, lembrando que nos últimos meses foram registrados diversos incidentes protagonizados por americanos que fracassaram mais por azar dos autores, que por prevenção. "A sorte é uma grande companheira, mas não nos protegerá de todo o terrorismo que está sendo apresentado", assegurou o "The Wall Street Journal" em um editorial em que afirma que "a diferenciação entre um louco e um membro da Al Qaeda é bastante irrelevante uma vez que as bombas explodem". O jornal lembra que dois americanos estão sendo julgados por tentar realizar um ataque contra o metrô de Nova York em setembro de 2009, enquanto em maio desse ano quatro homens também nascidos nos EUA foram acusados de querer atacar uma sinagoga e aviões militares, entre outros exemplos. Embora grupos talibãs paquistaneses tenham assumido a autoria do ataque fracassado, as autoridades americanas insistem em não dar credibilidade a eles, já que quando algo parecido acontece dezenas de mensagens falsas são recebidas. EFE mgl/pd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG