EUA obtêm acordo uzbeque e tadjique para abastecer tropas no Afeganistão

Washington deu nesta sexta-feira um passo importante rumo ao abastecimento da força internacional no Afeganistão ao obter o acordo do Uzbequistão e do Tadjiquistão para utilizar seus territórios, num momento em que o Quirguistão anunciou o fechamento de uma importante base militar dos EUA que funcionava no país.

AFP |

"A meta é que 50 a 200 contêineres transitem a cada semana pelos territórios do Uzbequistão e do Tadjiquistão para chegar ao Afeganistão", declarou o contra-almirante Mark Harnichek, um alto representante do departamento do transporte do Exército americano, em Duchambe, a capital tadjique.

"O Tadjiquistão deu seu aval à utilização de suas estradas e de suas vias férreas, e obtivemos o acordo do Uzbequistão para o trânsito", acrescentou Harnichek à televisão tadjique, destacando que os comboios americanos não transportarão armas ou munições.

Jackie McKennan, porta-voz da embaixada americana em Duchambe, suavizou, em seguida, as declarações do contra-almirante. "Os tadjiques estão estudando a possibilidade" de liberar seu território para a passagem dos comboios de abastecimento, afirmou.

No Uzbequistão, o ministério das Relações Exteriores e a embaixada americana, contactados pela AFP, se recusaram a fazer comentários.

O Tadjiquistão já tinha dado seu acordo de princípio a Washington, mas o Uzbequistão nunca se expressou oficialmente sobre o assunto. O general David Petraeus, chefe das operações americanas no Iraque e no Afeganistão, esteve em Tashkent esta semana para negociar com as autoridades locais, mas nada filtrou sobre as discussões.

O trânsito por estes dois países da Ásia Central, que têm fronteira com o Afeganistão, é considerado essencial para o abastecimento da coalizão internacional que luta contra os talibãs, ainda mais agora que o Quirguistão ordenou o fechamento de uma base militar de importância crucial.

O presidente quirguiz, Kurmanbek Bakiev, assinou nesta sexta-feira a lei aprovada na véspera ordenando o demantelamento desta instalação militar americana aberta em 2001.

A chancelaria quirguiz notificou oficialmente os Estados Unidos de sua decisão. Assim que receber o documento, Washington terá um prazo de 180 dias para deixar a base.

No entanto, os Estados Unidos ainda esperam convencer as autoridades do Quirguistão a mudarem de ideia.

"Continuo acreditando que o caso não está encerrado, e que ainda existe a possibilidade de um acordo", declarou nesta sexta-feira Robert Gates, secretário americano da Defesa, ao término de uma reunião com seus colegas da Otan em Cracóvia, no sul da Polônia.

bur/yw/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG