Bruxelas, 28 jul (EFE).- Os Estados Unidos asseguraram hoje que o Sistema de Autorização Eletrônica de Viagem, que obrigará os passageiros que não precisam de visto a preencherem um formulário na internet, não representa introduzir novas restrições como temem alguns países europeus.

"Não é um visto", defendeu hoje em entrevista coletiva na sede da representação americana perante a União Européia (UE) Jackie Bednarz, do Departamento Nacional de Segurança dos EUA.

Até agora o questionário é distribuído a bordo do avião durante o vôo, mas Washington deseja que a partir do dia primeiro de janeiro seja respondido previamente na internet a perguntas como se a pessoa participou de genocídios, atos de terrorismo ou de ações da Alemanha nazista.

"Estamos sabendo do mandato da Comissão Européia para determinar a natureza da medida e quando chegarem a uma conclusão nos reuniremos, mas este requisito é muito diferente de um visto", declarou Bednarz.

O sistema de registro, também conhecido como Esta (sigla em inglês), entrará em período de testes no dia primeiro de agosto e terá vigência até primeiro de janeiro de 2009.

Os EUA afirmam que se trata de uma simples melhora do formulário que pedia que preenchessem os passageiros dos 27 países que não necessitam vistos.

O questionário inclui perguntas como se o turista sofre algum tipo de doença, se tem antecedentes penais ou se está procurando trabalho nos EUA, informações consideradas como muito pessoais por alguns países da UE.

"A informação que se solicita é a mesma que antes, só muda o suporte de papel para eletrônico", concluiu Bednarz. EFE mrn/fal

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.