EUA não intervirão em decisão da GM sobre venda da Opel

Washington, 24 ago (EFE).- O Governo dos Estados Unidos não intervirá no processo de venda da Opel, filial alemã da montadora americana General Motors (GM), e deixará que a direção da companhia decida qual das ofertas de aquisição quer aceitar.

EFE |

O porta-voz adjunto da Casa Branca, Bill Burton, assegurou hoje que o presidente americano, Barack Obama, atualmente de férias no estado do Massachusetts, considera que as decisões sobre a gestão das operações diárias da GM devem ser tomadas por seus diretores e não pelo Governo.

"Ele (o presidente) está satisfeito com o fato de eles tomarem suas decisões", afirmou o porta-voz ao destacar que, por isso, Obama não pretende se envolver com a transação.

Burton deu estas declarações depois que o ministro de Assuntos Exteriores alemão, Frank Walter Steinmeier, pediu ajuda à secretária de Estado americano, Hillary Clinton, no processo de venda de Opel diante da demora da GM em tomar uma decisão.

Durante uma conversa telefônica no último sábado, Steinmeier pediu a Hillary para que pressionasse o secretário do Tesouro americano, Tim Geithner, para que este defenda a oferta de compra do grupo austríaco-canadense Magna, segundo o jornal alemão "Rheinische Post".

A publicação diz que o titular de Exteriores alemão deixou claro à chefe da diplomacia americana que Berlim dará seu aval à operação apenas se o comprador for o Magna e não o grupo financeiro belga RHJI.

Além disso, Steinmeier afirmou que o grupo Magna apresentou as melhores ideais para a conservação da marca Opel e a manutenção de suas quatro fábricas na Alemanha.

O chefe da diplomacia alemã falou com Hillary poucas horas depois de a direção da GM adiar novamente por tempo indefinido o anúncio de sua decisão sobre a venda da Opel a um dos dois candidatos à compra ao considerar que os aspectos financeiros da operação não estavam suficientemente claros.

A falta de decisões por parte da direção da GM causou uma profunda decepção no Governo alemão e em alguns dos estados federados com fábricas de Opel, assim como no comitê empresarial da montadora.

O Governo americano possui 60% da GM após ter injetado em junho mais de US$ 30 bilhões para ajudar a empresa a se reestruturar depois de se declarar em concordata. EFE cae/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG