Os Estados Unidos anunciaram nesta sexta-feira que manterão firmemente a aplicação das sanções contra a Coreia do Norte depois do anúncio do governo norte-coreano de que alcançou a última fase do processo de enriquecimento de urânio.

"Continuamos comprometidos em garantir que a Coreia do Norte cumpra com suas obrigações internacionais e mantemos firmemente a aplicação das sanções aprovadas", afirmou o porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs.

"Nossa meta continua e continuará sendo a desnuclearização da península coreana", acrescentou.

Na véspera, a Coreia do Norte afirmou ter chegado à última fase do enriquecimento de urânio e que começou a fabricar novas armas nucleares com barras de urânio usadas, conforme anunciou a agência sul-coreana Yonhap.

"Realizamos com sucesso a experiência do enriquecimento de urânio, e o processo entrou na fase final", declarou a agência norte-coreana KCNA, citada pela Yonhap.

"Também estamos finalizando o reprocessamento de barras de urânio usadas e do plutônio extraído de um reator para transformá-los em armas", prosseguiu a KCNA.

As barras de urânio usadas vêm do único reator norte-coreano que produz plutônio, destacou a agência oficial.

"Estamos preparados para o diálogo, mas também para as sanções", declarou o representante permanente da Coreia do Norte em carta enviada ao presidente do Conselho de Segurança da ONU, segundo a KCNA.

O governo em Pyongyang tem advertido que se o Conselho de Segurança privilegiar as sanções em detrimento do diálogo, será forçado a "tomar contramedidas defensivas mais fortes", que seriam um terceiro teste nuclear ou o lançamento de míssil de longo alcance.

A chancelaria sul-coreana qualificou de "intolerável" o que chamou de ameaças do vizinho do norte.

"O governo tomará medidas firmes e adaptadas contra às ameaças e às provocações norte-coreanas", destacou a chancelaria em Seul.

A Coreia do Norte passou anos negando seu programa secreto para fabricar uma bomba com urânio enriquecido, mas em junho passado, após a adoção de sanções da ONU, anunciou que iria enriquecer urânio e militarizar seu plutônio.

O regime norte-coreano destacou nesta sexta-feira que jamais rejeitou livrar a região das armas nucleares, mas disse que as negociações a seis foram utilizadas para "violar" a soberania da Coreia do Norte.

Washington insiste em dialogar com Pyongyang apenas no modelo a seis, que inclui Estados Unidos, Coreia do Sul, China, Japão e Rússia.

elw/LR

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.