EUA mantêm cautela perante últimos movimentos norte-coreanos

Pequim, 5 set (EFE).- O representante americano nas negociações sobre a desnuclearização da Coréia do Norte, Christopher Hill, mostrou hoje sua cautela sobre os últimos movimentos do regime de Pyongyang e disse seguir confiando na validade das conversas.

EFE |

Hill fez essas declarações à imprensa em Pequim, aonde chegou hoje e se reuniu com os representantes de Coréia do Sul e Japão na negociação, Kim Sook, e Akitaka Saiki, respectivamente.

Ele confiou, além disso, no papel da China como "anfitriã do processo" e nos contatos que o gigante asiático possa ter mantido nas últimas semanas para tentar desbloqueá-lo.

De fato, Hill adiantou que, da mesma forma que Sook e Saiki, se reunirá amanhã de manhã com o representante chinês, Wu Dawei, antes de um breve encontro com o russo Alexei Borodavkin.

"Estou querendo escutar Wu para saber o que esteve fazendo a China", assinalou Hill, que acrescentou que está "seguro" de que o gigante asiático "tem que estar interessado em encontrar uma saída" à problemática nuclear norte-coreana.

Em 26 de agosto, a Coréia do Norte anunciou a interrupção do processo de desnuclearização estipulado nas negociações de seis lados desenvolvidas entre norte-coreanos e EUA, China, Coréia do Sul, Japão e Rússia, alegando que os americanos não cumpriram o estipulado ao não retirar Pyongyang da lista de países patrocinadores do terrorismo.

Sobre a preocupação da Coréia do Norte de que o processo de verificação se transforme em uma inspeção minuciosa, "casa por casa", e exceda a estrita comprovação da declaração de seu arsenal nuclear, Hill ressaltou que "isso não é em absoluto" o que está sendo feito.

"O que precisamos fazer é verificar sua declaração nuclear e elaborarmos um protocolo baseado em padrões internacionais", algo discutido por todas as seis partes e aprovado por todas elas.

Hill afirmou hoje que não deve se reunir com o representante norte-coreano, mas que está disposto a realizar esse encontro sempre que Pyongyang solicitar.

"Estamos dispostos a discutir as preocupações norte-coreanas sobre o protocolo (de verificação) tanto dentro das conversas de seis lados como diretamente com eles", acrescentou. EFE ub/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG