EUA lamentam veto da Coréia do Norte a inspetores da AIEA

Washington, 9 out (EFE) - Os Estados Unidos lamentaram hoje a decisão da Coréia do Norte de proibir os inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) de ter acesso à usina nuclear de Yongbyon, e exigiu que o país cumpra suas obrigações. Qualquer passo (da Coréia do Norte) para vetar os inspetores é lamentável, afirmou o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, Gordon Johndroe. A Coréia do Norte anunciou hoje que os inspetores da AIEA não terão acesso a nenhuma das instalações da central atômica de Yongbyon. O país já tinha vetado a entrada dos funcionários da Agência à usina há duas semanas.

EFE |

"Nossas discussões com os norte-coreanos e com outros membros das negociações de seis lados se centram em conseguir um processo de verificação sólido. Estas conversas continuarão, ao mesmo tempo em que esperamos que todas as partes cumpram suas obrigações sob os acordos existentes" disse Johndroe.

No mesmo sentido se expressou o porta-voz do Departamento de Estado americano, Sean McCormack, que qualificou o passo dado pela Coréia do Norte de "lamentável, mas reversível".

"O que fizeram até agora é reversível. Podem tomar outro tipo de decisões e nós pediríamos que fizessem isso", disse.

Quanto ao lançamento de dois mísseis de curto alcance efetuado pela Coréia do Norte em direção ao Mar Ocidental (Mar Amarelo) como parte de manobras militares de rotina, McCormack pediu que o país evite "dar passos que aumentam a tensão na península".

Trata-se do primeiro projétil deste tipo lançado pela Coréia do Norte desde março, quando testou três mísseis, em meio da estagnação das conversas de seis lados para o processo de desnuclearização do país.

A AIEA destacou hoje que a Coréia do Norte paralisou as tarefas de desmantelamento desta usina, que foram pactadas nas conversas de seis lados entre o país e Coréia do Sul, Rússia, China, Japão e EUA, pelo que informou ao organismo que suas atividades de controle já não são apropriadas.

Desta forma, a Coréia do Norte confirma sua decisão de relançar seu programa nuclear, depois que, em 24 de setembro, retirou os lacres colocados pela AIEA e anunciou que começaria a introduzir combustível nuclear em sua usina de produção de plutônio. EFE cae/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG