EUA iniciam testes para vacina contra gripe, sem efeitos adversos até agora

Washington, 21 ago (EFE).- As autoridades de saúde dos Estados Unidos iniciaram os testes clínicos das vacinas contra a gripe A e por enquanto não foram registrados efeitos adversos, se anunciou hoje oficialmente.

EFE |

Grupos de voluntários em cinco estudos receberam as primeiras inoculações nas últimas duas semanas e "não se produziram sinais de alarme em relação à segurança", disse em uma teleconferência Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas.

Acrescentou que os únicos problemas foram sensibilidade e uma pequena inflamação no lugar onde se aplicou a injeção, como ocorre com outros tipos de inoculação.

Fauci disse que perante a ausência de efeitos adversos em pessoas de idade avançada, já foram iniciados testes em crianças de entre seis meses e 17 anos.

Além de estabelecer o efeito imunológico das vacinas, as provas têm como objetivo determinar se serão necessárias uma ou mais doses.

Fauci apontou que os primeiros resultados dos testes serão conhecidos duas semanas após terem sido iniciados e que os testes em mulheres grávidas começarão no final de setembro.

O surto epidêmico da gripe A declarada em pleno verão no hemisfério causou 7.963 hospitalizações e matou 522 pessoas nos Estados Unidos, revelou hoje o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês).

Mas as autoridades assinalam que é possível que seja mais de um milhão o número de pessoas que sofreram o contágio e que devido a seu caráter leve não procuraram os serviços médicos.

As autoridades de saúde temem que se desenvolva um segundo surto nos próximos meses como resultado da baixa nas temperaturas perante a proximidade do inverno.

Fauci disse que também se espera que esse aumento comece quando os estudantes começarem o ano letivo na primeira semana de setembro.

Segundo Jay Butler, diretor do CDC, a doença se conteve nos EUA e só foram confirmados casos esporádicos, exceto nos estados do Alasca e Maine.

O diretor do CDC assinalou que é "pouco frequente" registrar casos no mês de agosto, já que nesta época do ano não têm gripe.

Apontou na mesma teleconferência que as autoridades de saúde dos EUA esperam contar com entre 45 milhões e 52 milhões de vacinas para meados de outubro e um total de 195 milhões para o final do ano.

As vacinas serão distribuídas aos estados de acordo com sua população, acrescentou. EFE ojl/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG