EUA: grupo de direitos humanos diz que Gates ignora Obama sobre Guantánamo

Um grupo de defesa dos direitos humanos criticou nesta quinta-feira o secretário da Defesa americano, Robert Gates, por não respeitar a ordem executiva do presidente Barack Obama que determinou a suspensão dos julgamentos contra prisioneiros acusados de terrorismo detidos em Guantánamo

AFP |

"Apesar das ordens do presidente Obama, de fechar (a prisão) e interromper os julgamentos, isso não chegou ao departamento de Defesa", disse Anthony Romero, líder da União pelas Liberdades Civis Americanas (UCLA).

Dias depois de assumir a presidência, Obama ordenou o fechamento da prisão da baía de Guantánamo dentro de um ano, além da suspensão dos julgamentos da comissão militar da prisão.

Entretanto, um juiz militar de Guantánamo rejeitou a resolução do novo governo, recusando-se a suspender o julgamento do saudita Abd al-Rahim al-Nashiri, acusado de participar do ataque contra o navio de guerra USS Cole no ano 2000.

Al-Nashiri será julgado na segunda-feira.

"É fato que o secretário Gates pode deter este julgamento", afirmou Romero em uma entrevista coletiva.

"Resta saber se este é um desses casos nos quais a mão direita não sabe o que a mão esquerda está fazendo, ou se isto é uma rebelião no novo governo, ou se o novo secretário Gates é igual ao velho secretário Gates", acrescentou.

Gates foi secretário da Defesa do ex-presidente George W. Bush, tendo sido mantido no posto por Barack Obama.

kdz/ap

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG