EUA, França e Rússia pedem para Armênia e Azerbaijão resolverem diferenças

LAquila (Itália), 10 jul (EFE).- Os Governos dos Estados Unidos, da França e da Rússia pediram hoje - durante a Cúpula de Chefes de Estado e de Governo do Grupo dos Oito (G8, as nações mais ricas e a Rússia) - para Armênia e Azerbaijão resolverem suas poucas diferenças restantes para chegar a um acordo sobre o enclave de Nagorno-Karabakh.

EFE |

Em comunicado conjunto, os três países indicaram que seus mediadores apresentarão aos Governos em Yerevan e Baku uma versão "atualizada" das propostas da conferência de Madri de 2007, que estabeleceu os princípios preliminares para um acordo.

"Pedimos para os presidentes da Armênia, Serge Sargsian, e Azerbaijão, Ilham Aliyev, para resolverem as poucas diferenças restantes entre eles e chegar a um acordo acerca dos princípios preliminares que permita uma solução" para o conflito de Nagorno-Karabakh.

Entre outras coisas, os princípios preliminares estabelecem o retorno dos territórios que rodeiam o enclave de Nagorno-Karabakh ao Governo azerbaijano.

Fica estabelecido também um corredor que ligue a Armênia com o enclave e se determina que o status legal definitivo de Nagorno-Karabakh será decidido mediante uma expressão de sua vontade legalmente vinculativa.

O conflito de Nagorno-Karabakh remonta aos tempos da antiga União Soviética, quando esse território pediu sua incorporação à vizinha Armênia (1988), o que desembocou em uma dura guerra entre armênios e azerbaijanos entre 1991 e 1994.

Durante aquele conflito armado, no qual morreram cerca de 25 mil pessoas, as tropas da Armênia e os separatistas ocuparam quase um terço de todo o território azerbaijano, com o resultado adicional de quase um milhão de refugiados internos nesse país do Cáucaso Sul.

O Grupo de Minsk da Organização para a Cooperação e a Segurança na Europa (Osce), integrado pelos EUA, Rússia e França, supervisiona o cessar-fogo vigente desde 1994 e atua como mediador na busca de uma regra para o conflito. EFE mv/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG