Bruce Beresford-Redman é acusado pelo assassinato de Mônica Burgos, encontrada morta em hotel de Cancún em abril de 2010

Um produtor americano acusado de matar a mulher brasileira desembarcou nesta quinta-feira no México, após ser extraditado pela Justiça dos Estados Unidos.

Bruce Beresford-Redman será julgado em Cancún pelo suposto assassinato de Mônica Burgos, encontrada morta em um hotel local em abril de 2010. Ele nega a acusação.

Redman, que foi produtor do reality show “Survivor”, desembarcou em Cancún em um jato não comercial. Ele pousou em uma pista à qual repórteres não tiveram acesso e deixou o aeroporto em uma van acompanhada por três veículos policiais.

O procurador-geral do Estado de Quintana Roo, Gaspar Armando Garcia Torres, afirmou que Redman será levado à prisão e terá uma audiência em até três dias.

A brasileira foi encontrada morta em um esgoto próximo ao hotel onde o casal e seus dois filhos passavam férias em Cancún. O corpo de Mônica apresentava marcas no pescoço e um forte golpe na cabeça, que provocou um traumatismo craniano. O casal estava junto há 11 anos e teria ido a Cancún para tentar salvar o casamento, após Mônica descobrir que o marido tinha uma amante.

Após o corpo ser encontrado, Redman chegou a ser detido por um dia. Depois da libertação, as autoridades mexicanas solicitaram que ele permanecesse no país durante as investigações. Porém, ele retornou aos Estados Unidos para "ficar com os filhos e para assuntos familiares e pessoais", segundo declarou seu advogado na época.

Em novembro, Redman foi preso em Los Angeles após autoridades mexicanas e americanas concordarem que ele tinha deixado o México sem autorização e estava nos EUA como fugitivo.

As autoridades americanas entregaram o produtor às autoridades mexicanas na quarta-feira, cerca de duas semanas após o Departamento de Estados dos EUA ter assinado um documento permitindo a extradição, que já tinha sido autorizada pela Justiça de Los Angeles.

Procuradores americanos apresentaram testemunhos de hóspedes do hotel que disseram ter ouvido gritos e choro no quarto do casal na mesma noite em que Mônica desapareceu. Os advogados de Redman disseram que o barulho era dos jogos com os quais as crianças brincaram e alegam que não há evidência forense de que ele matou a mulher.

A família de Mônica disse que a extradição é um grande passo na busca por justiça. A advogada dos parentes da brasileira, Alison Triessl, afirmou que eles acompanharão o caso no México e pedirão a sentença máxima para Redman, que pode ser de 12 a 30 anos de prisão.

Com AFP e AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.