EUA executam assassino que apelou à gordura para tentar evitar pena de morte

Washington, 14 out (EFE).- Richard Wade Cooey, de 41 anos, foi executado hoje em uma prisão no estado de Ohio, após um longo recurso para tentar demonstrar que seus 125 quilos de peso não lhe permitiriam ter uma morte sem dor, como estabelece a constituição dos Estados Unidos Cooey recebeu a injeção letal na prisão de Lucasville, uma localidade ao sul do estado de Ohio, na região dos Grandes Lagos.

EFE |

Os funcionários não tiveram problemas em encontrar a veia do réu, onde injetaram a mistura química mortal.

Seu advogado tinha alegado que o excesso de peso poderia dificultar que encontrassem a veia de seu cliente, que engordara mais de 30 quilos na prisão.

Segundo o advogado, o motivo eram as 23 horas de confinamento que seu cliente tinha na prisão.

O exame médico feito na prisão no começo da manhã determinou, porém, que suas veias eram suficientemente grossas para serem encontradas sem problema.

Cooey foi condenado à morte por seqüestro, estupro e assassinato de duas universitárias em um subúrbio de Akron em 1º de setembro de 1986.

Seu advogado travou uma batalha legal para tentar argumentar que a obesidade de seu cliente causaria complicações durante a execução.

Além disso, alegou que o medicamento para dores de cabeça que tomava podia interferir nas drogas utilizadas nas execuções.

A Corte Suprema de Ohio rejeitou na semana passada o pedido da defesa, e o Tribunal de Apelações do sexto distrito também rejeitou a solicitação de Cooey. EFE elv/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG