A Força Aérea americana estudou realizar um ataque nuclear contra a China durante um confronto com Taiwan em 1958, mas a iniciativa foi rechaçada, indicam documentos desarquivados e divulgados nesta quarta-feira.

Quando teve conhecimento desse projeto, o então presidente Dwight Eisenhower exigiu da Força Aérea que utilizasse bombas convencionais contra as Forças Armadas chinesas caso a crise com Taiwan piorasse, segundo esses documentos, até agora confidenciais.

O informe sobre a crise, realizado pelo historiador da Força Aérea americana na época, detalha o projeto de ataque nuclear: o lançamento de uma bomba de entre 10 e 15 quilotons sobre o aeródromo de Amoy (hoje chamado Xiamen) caso Pequim bloqueasse o acesso a um grupo de ilhas próximas da China que rodeiam Taiwan.

O informe foi divulgado por National Security Archive, uma ONG da Universidade George Washington, na capital, que recopila e publica documentos desarquivados obtidos legalmente com base no direito à informação (lei sobre liberdade de informação, FOIA nas siglas em inglês).

Pequim considera Taiwan como parte de seu território e aspira a uma reunificação, apesar de sua independência de fato em 1949, e promete recorrer à força no caso de uma declaração formal de independência.

pp/chl/sd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.