Washington, 22 dez (EFE).- O chefe do Pentágono, Robert Gates, aprovou o envio de uma brigada aérea do Exército ao Afeganistão nos próximos meses como parte do reforço militar no país, informou nesta segunda-feira um porta-voz oficial.

Segundo o porta-voz do Pentágono, Bryan Whitman, a escolha foi pela 82ª Brigada de Aviação de Combate, com quartel-general em Fort Bragg (Carolina do Norte), que conta com aproximadamente 2.800 soldados e alguns helicópteros.

Na semana passada, o chefe do Estado-Maior Conjunto, almirante Mike Mullen, disse que os EUA poderiam enviar no ano que vem ao Afeganistão um contingente extra de 20.000 a 30.000 soldados - a presença atual é de 31.000 militares.

A brigada aérea do Exército terá a missão de auxiliar as unidades em terra da Força Internacional de Assistência para a Segurança no Afeganistão, que opera sob o comando da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

"É parte do compromisso contínuo para o aumento de nossas capacidades militares no Afeganistão", apontou Whitman.

Além do envio da brigada aérea do Exército, o reforço incluirá outras quatro forças de combate - uma delas com ida prevista já para janeiro - e outras de capacitação, segundo Whitman.

O aumento da presença americano atende aos pedidos dos comandantes militares. Liderados pelo general David McKiernan, comandante das tropas no Afeganistão, eles solicitaram reforços de pelo menos 20.000 soldados para enfrentar a crescente ameaça do movimento talibã.

Grande parte desse reforço irá ao sul do Afeganistão, onde os talibãs ganham força e, ao mesmo tempo, as forças internacionais sofreram a maior parte de suas baixas.

Até o momento, a maioria dos contingentes na região é formado por canadenses, britânicos e holandeses.

Leia mais sobre: EUA no Afeganistão

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.