Washington, 28 ago (EFE).- Os Estados Unidos transferiram para Portugal dois sírios detidos em Guantánamo, que foram postos em liberdade imediatamente, segundo informaram os Governos dos dois países.

Os ex-prisioneiros chegaram hoje a Portugal, de acordo com um comunicado do Ministério do Interior, que indicou que não divulgará suas identidades por motivos de segurança.

O ministério infirmou ainda que os detidos "não enfrentam nenhuma acusação, são pessoas livres e viverão em residências cedidas pelo Estado", que ajudará em sua integração na sociedade portuguesa.

Por sua parte, o departamento de Justiça dos EUA destacou, em outra declaração, que a transferência é resultado de um acordo com Portugal, através do qual coordenou as medidas de segurança para sua transferência.

Os EUA "seguirão em consultas com o Governo de Portugal sobre os detidos", afirma o comunicado.

Os dois sírios necessitarão um visto para viajar para outros países-membros da União Europeia, segundo concordaram os ministros de justiça e de assuntos exteriores dos dois paíse, em uma reunião em junho, em Luxemburgo, na qual estabeleceram as regras para o recebimento de prisioneiros de Guantánamo na Europa.

Os EUA transferiram os dois presos depois que uma comissão estabelecida pelo presidente Barack Obama determinou que eles não são perigosos. No entanto, não podiam devolvê-los à Síria, porque poderiam ser perseguidos ou torturados.

"Não teríamos procedido com as transferências se os EUA ou Portugal tivessem tido qualquer preocupação sobre segurança que não tivesse sido abordada", disse Dean Boyd, porta-voz do departamento de Justiça. EFE cma/pd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.