EUA e UE estão perto de acordo acesso a dados privados-NYTimes

Por Chris Michaud NOVA YORK (Reuters) - Os Estados Unidos e a União Européia estão perto de um acordo no sentido de promover alterações na lei e permitir que agências de segurança tenham acesso a informações privadas, como operações com cartão de crédito, históricos de viagens transatlânticas, diz o jornal The New York Times na edição deste sábado.

Reuters |

O jornal, que teve acesso a documentos relacionados ao potencial acordo, disse que o assunto exigiria um sério esforço diplomático de oficiais norte-americano anti-terrorismo pois estaria encontrando resistências de lado europeu quanto à proteção de dados individuais.

Não ficou claro quando o acordo poderia ser concluído, disse o Times, citando oficiais, mas a administração do presidente George W. Bush quer resolver o assunto antes do fim do atual governo em janeiro e espera que um acordo como esse não precise de aprovação de congressistas.

Negociadores, que têm se encontrado desde fevereiro de 2007, tem desenhado um esboço sobre 12 assuntos de maior interesse como linhas mestras de uma 'cláusula de acordo internacional', disse a reportagem. Entre outras coisas, o pacto deixaria claro que governos europeus e companhias poderiam legalmente trocar informações de pessoas com os Estados Unidos.

Um item não resolvido é quanto à possibilidade de que residentes dos Estados Unidos estariam aptos a processar o governo americano por manipular suas informações pessoais, disse o Times. A lei do país não permite que estrangeiros processem o governo dos Estados Unidos por danos em situações semelhantes, informou o Times.

As conversas resultaram de conflitos entre os Estados Unidos e a Europa a respeito de trocas de informações após os ataques de 11 de setembro. A administração Bush tem pedido acesso a informações de passageiros procedentes da Europa às companhias aéreas, e por meio de um consórcio, conhecido como Swift, exigido dados de transações bancárias internacionais.

Diversos países rejeitam a medida, citando leis que protegem a privacidade.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG