EUA e Rússia prometem posição conjunta em relação ao Irã

Os governos da Rússia e dos Estados Unidos prometeram trabalhar juntos para garantir que o programa nuclear do Irã seja direcionado para fins pacíficos.

BBC Brasil |

Depois de uma reunião em Moscou com seu colega Sergei Lavrov, a secretária de Estado americana Hillary Clinton, afirmou que o Irã continua sendo um "um tema de grande preocupação".


Hillary Clinton e Serguei Lavrov se encontraram nesta terça-feira em Moscou / AP

"Acreditamos que é importante trilhar o caminho diplomático e fazer tudo o que pudermos para sermos bem sucedidos. Achamos que o Irã tem direito a produzir energia nuclear com fins pacíficos mas não tem direito a produzir armas nucleares. E a Rússia concorda", afirmou Clinton.

"Ao mesmo tempo em que seguimos este caminho, sabemos que podemos não obter o sucesso que precisamos, então temos sempre contemplado a possibilidade da adoção de sanções, caso não sejamos bem sucedidos", acrescentou.

Mas, para o ministro do Exterior russo Sergei Lavrov, nas atuais circunstâncias, sanções poderiam ser contraproducentes.

"O presidente (Dmitry Medvedev) não disse que as sanções são inevitáveis. Ele disse que mantém uma atitude reservada em relação às sanções, pois raramente elas dão resultado. No entanto, existem casos em que as sanções são inevitáveis e isto acontece quando todos os caminhos políticos e diplomáticos foram esgotados. A situação com o Irã está longe ser deste jeito", afirmou.

Lavrov acrescentou que nenhum dos dois países pediu ao outro alguma medida para lidar com o Irã, mas "nossas opiniões coincidem".

Encerrando o giro de cinco dias pela Europa, a secretária de Estado afirmou, durante entrevista coletiva conjunta com Lavrov, realizada em Moscou, que a Rússia tem "cooperado muito no trabalho que estamos fazendo juntos em relação ao Irã".

O governo iraniano revelou recentemente que tinha uma segunda usina de processamento de urânio. No entanto o país insiste que não está desenvolvendo armas nucleares.

Hillary Clinton ainda deve se reunir com o presidente Dmitry Medvedev na residência particular do presidente, fora de Moscou.

Arsenal

Lavrov e Clinton também afirmaram que foram feitos progressos nas negociações sobre o novo tratado para reduzir os arsenais nucleares dos dois países .

A visita de Clinton ocorre em um momento importante das relações entre os Estados Unidos e Rússia, de acordo com o correspondente da BBC em Moscou Richard Galpin.

Tradicionalmente a Rússia é contra sanções mais duras contra o Irã, mas Medvedev parece ter mudado sua opinião depois que o Irã revelou a existência de uma segunda usina de processamento de urânio.

O presidente russo deu a entender que seu governo poderá aceitar a aplicação de sanções, caso seja inevitável.

Ao assumir o cargo, o presidente Barack Obama prometeu retomar as relações com a Rússia e uma reunião com Medvedev em julho indicou que o relacionamento entre os dois países estaria indo nesta direção, diz Galpin.

Desde então Obama atendeu uma das principais exigências da Rússia, de cancelar os planos de instalação de um escudo antimísseis na Polônia e na República Checa.

Apesar de os americanos insistirem que não esperam nada em troca, o correspondente da BBC acrescenta que o Irã estará no topo da pauta de Clinton em Moscou.

Autoridades americanas afirmam que o governo dos Estados Unidos quer o apoio da Rússia, ou pelo menos não quer sua oposição, à ideia de o Conselho de Segurança da ONU impor sanções mais duras contra o Irã se o país não cumprir com suas obrigações internacionais.

Leia mais sobre Rússia

    Leia tudo sobre: russia x eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG