EUA e Reino Unido fecham embaixada no Iêmen por ameaças da Al-Qaeda

Depois de os Estados Unidos informarem que a embaixada do país no Iêmen seria fechada, o Reino Unido seguiu o mesmo caminho. A motivação das medidas são as ameaças da Al-Qaeda na Península Arábica.

iG São Paulo |

Em nota publicada no site da embaixada dos Estados Unidos, o governo americano informa que no dia 31 de dezembro lembrou a seus cidadãos que, no Iêmen, existe uma ameaça contínua de ataques terroristas e de violência contra pessoas e alvos americanos.

Reuters
Soldados param carros após
o fechamento das embaixadas
"A embaixada dos EUA lembra a seus cidadãos que devem manter um nível alto de alerta e que devem pôr em prática medidas de segurança", diz a nota.

Ontem, o chefe do Comando Conjunto Central do Exército dos EUA, general David Petraeus, chegou ao Iêmen para se reunir com as autoridades do país, um dia depois de anunciar sua intenção de reforçar a assistência militar ao governo de Sana.

No dia de Natal, um terrorista tentou explodir um avião civil com destino a Detroit e confessou posteriormente que tinha recebido treinamento no Iêmen.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, atribuiu ao braço iemenita da Al-Qaeda a tentativa do jovem nigeriano de detonar explosivos a bordo de um avião comercial no dia de Natal.

Leia mais sobre: Estados Unidos  e Iêmen

    Leia tudo sobre: al-qaedaestados unidosterrorismo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG