EUA e Paquistão divergem sobre incidente na fronteira

Por Zeeshan Haider ISLAMABAD (Reuters) - Tropas paquistanesas alvejaram helicópteros norte-americanos na quinta-feira, num forte agravamento das tensões entre os dois aliados, que apresentaram versões conflitantes.

Reuters |

Os militares paquistaneses disseram que seus soldados fizeram disparos de advertência contra helicópteros que haviam invadido o espaço aéreo do país. Já os EUA afirmaram que os aparelhos estavam sobre território afegão.

"A rota de vôo dos helicópteros em momento nenhum os levou sobre o Paquistão", disse o porta-voz do Pentágono Bryan Whitman. "Este é um incidente lamentável. Só demonstra a importância da coordenação ao longo da fronteira. Os paquistaneses têm de nos fornecer uma melhor compreensão de por que isso ocorreu."

O general Athar Abbas, porta-voz militar paquistanês, disse que "houve dois helicópteros do Afeganistão que cruzaram para o território paquistanês. Nossos soldados dispararam tiros, esses helicópteros devolveram fogo e voaram de volta".

Os EUA negaram que os helicópteros tenham reagido. Não houve vítimas nem danos.

A montanhosa fronteira entre Paquistão e Afeganistão é um dos cenários cruciais da luta contra a Al Qaeda e o Taliban na região. Nas últimas semanas, os EUA realizaram freqüentes ataques com mísseis e incursões terrestres com ajuda de helicópteros em território paquistanês.

Islamabad critica tais operações e diz que não vai tolerá-las.

Uma porta-voz militar dos EUA disse que os dois helicópteros OH-58 envolvidos no incidente faziam uma operação de rotina a cerca de 11,5 quilômetros da fronteira com o Paquistão, quando "receberam disparos de pequenas armas de fogo do posto militar paquistanês".

Whitman disse que os EUA "evitaram um sério incidente".

Aumentando a confusão, o presidente paquistanês, Asif Ali Zardari, disse em Nova York que suas forças dispararam apenas sinalizadores de alerta, "para garantir que eles sabiam que haviam cruzado a linha de fronteira".

Ao lado da secretária norte-americana de Estado, Condoleezza Rice, ele disse que é difícil notar quando se cruza a fronteira. "Sim, a fronteira é muito, muito pouco clara", aquiesceu Rice.

Os EUA decidiram suspender serviços consulares -- como a concessão de vistos -- no Paquistão devido a uma piora no ambiente de segurança, especialmente depois do atentado suicida que matou 54 pessoas no sábado no hotel Marriott em Islamabad. As autoridades disseram que a restrição consular não tem relação com o incidente dos helicópteros.

(Reportagem adicional de David Morgan, em Washington, Sue Pleming, em Nova York, e Jonathon Burch, em Cabul)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG