EUA e Coreia do Sul preparam manobra naval para alertar o Norte

China, maior aliada da Coreia do Norte, condenou o exercício nos arredores do seu território e realizou suas próprias manobras

iG São Paulo |

Os Estados Unidos e a Coreia do Sul anunciaram nesta terça-feira a realização de exercícios militares conjuntos no fim de semana que vem, como forma de passar um recado dissuasório à Coreia do Norte. A China, maior aliada da Coreia do Norte, condenou o exercício nos arredores do seu território e realizou suas próprias manobras navais.

"Esses exercícios defensivos combinados servem para passar uma mensagem clara à Coreia do Norte de que seu comportamento agressivo deve parar, e de que estamos comprometidos em juntos melhorarmos nossas capacidades defensivas combinadas", disse secretário norte-americano de Defesa, Robert Gates, em nota emitida conjuntamente com seu colega sul-coreano, durante visita a Seul.

© AP
Robert Gates, secretário de Defesa dos EUA, discursa para tropas americanas na Coreia do Sul

Na quarta-feira, a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, também estará em Seul para manifestar apoio à Coreia do Sul, num momento de particular tensão na região por causa do naufrágio, em março, de uma corveta sul-coreana, que matou 46 marinheiros.

Uma investigação feita por Seul com ajuda de especialistas internacionais atribuiu o naufrágio à Coreia do Norte, que no entanto negou a acusação. A ONU divulgou uma nota neste mês lamentando o naufrágio, mas, por pressão da China, não fez menção à Coreia do Norte.

A Coreia do Norte recentemente sinalizou seu desejo de retomar as negociações com potências regionais a respeito do seu programa de armas nucleares. O processo foi abandonado por Pyongyang há um ano e meio.

Analistas dizem que Washington e Seul relutam em retomar as discussões, usadas no passado pelo Norte para obter concessões, mas sem abrir mão do seu programa atômico. Por outro lado, os EUA podem se ver forçados a aceitar a retomada do diálogo, a fim de impedir que Pyongyang venha a exportar armas atômicas. Já para os líderes sul-coreanos seria ruim passar a impressão de que estão esnobando o miserável Norte.

Temor da China

Na China, muitos consideram que os exercícios norte-americanos são uma ameaça à soberania chinesa, algo que Gates negou. "Esses exercícios são na costa da Coreia, não na costa da China. São exercícios como os que temos realizados há décadas. Não há nada de provocativo neles", afirmou.

A TV estatal chinesa exibiu na terça-feira imagens de recentes manobras da sua Frota do Mar Oriental nas águas que ficam entre a China e a península coreana.

A emissora não disse exatamente quando e onde as imagens foram feitas, e não ficou claro se elas mostravam o mesmo exercício que a agência estatal de notícias Xinhua disse ter ocorrido no fim de semana.

Segundo a Xinhua, quatro helicópteros e quatro navios de resgate foram mobilizados em dois dias de atividades no Mar Amarelo, onde EUA e Coreia do Sul planejam realizar manobras destinadas a passar um alerta dissuasivo à Coreia do Norte. Muitos chineses, no entanto, consideram que esses exercícios ameaçam o seu país.

Zhu Chenghu, professor de estudos estratégicos na Universidade Nacional de Defesa, disse à agência China News Service que o exercício EUA-Coreia do Sul tem como alvo tanto Pequim quanto Pyongyang.

"Eles vão acontecer no Mar Amarelo, que é o ponto de entrada para a casa da China, e eles obviamente querem demonstrar poderio militar", disse ele.

* Com Reuters

    Leia tudo sobre: Coreia do SulCoreia do Norteestados UnidosChina

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG