EUA dizem que não interferem nas relações entre Chávez e Uribe

Washington, 11 jul (EFE).- O Governo dos Estados Unidos disse hoje que a reunião entre o presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, e o chefe de Estado da Venezuela, Hugo Chávez, é um assunto exclusivo das duas nações sul-americanas.

EFE |

Uribe e Chávez se reuniram hoje em Paraguaná, a cerca de 500 quilômetros de Caracas, pela primeira vez em quase oito meses visando "reativar" as relações bilaterais.

Sobre o encontro, o porta-voz do Departamento de Estado americano, Sean McCormack, disse hoje que "verdadeiramente é um assunto que corresponde aos dois vizinhos".

Para McCormack, "a decisão de se reunir para discutir assuntos" do presente e do passado entre ambos os países "é assunto dos dois líderes e seus Governos".

O americano voltou a afirmar que os EUA apóiam firmemente o presidente Uribe e seu Governo na luta contra o terrorismo e contra a guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Também apoiou a decisão de Uribe de denunciar e atuar contra "forças que tentaram buscar refúgio fora das fronteiras da Colômbia".

Seguindo um protocolo estabelecido, McCormack não quis comentar a solicitação de extradição americana dos rebeldes conhecidos como "César" e "Gafas" das Farc, capturados no último dia 2 durante a "Operação Xeque", que viabilizou o resgate de 15 reféns, entre eles Ingrid Betancourt.

As relações entre Estados Unidos e Venezuela atravessam um período de pequena turbulência, já que o Governo de Washington considera que Caracas não faz o suficiente na cooperação na luta contra o terrorismo.

O encontro entre Uribe e Chávez acontece no momento em que o líder venezuelano aumentou a pressão para que as Farc libertem os demais reféns que tem em seu poder. EFE mp/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG