EUA dizem que atuam para defender vítimas do conflito entre Rússia e Geórgia

Washington, 14 ago (EFE).- A missão humanitária dos Estados Unidos na Geórgia não é para defender portos, mas para fornecer ajuda às pessoas que são vítimas do conflito armado com a Rússia, afirmou hoje a Casa Branca.

EFE |

"Não estamos ali para defender portos, estamos ali para proporcionar ajuda humanitária", declarou a porta-voz da Casa Branca, Dana Perino, em reunião com jornalistas.

As declarações de Perino foram dadas após algumas informações de imprensa indicarem que a Rússia destruiu as instalações militares e navais em Poti, o principal porto comercial georgiano, às margens do Mar Negro.

O Governo dos EUA está analisando estas informações, afirmou o porta-voz adjunto interino do Departamento de Estado, Robert Wood, para jornalistas. "Se realmente for verdade queremos que (os russos) acabem" com estas ações, declarou.

Por enquanto chegaram à Geórgia duas cargas de ajuda humanitária.

Nos últimos dias, os EUA proporcionaram a seu aliado no Cáucaso material de primeira necessidade, como cobertores, remédios e água potável no valor de US$ 2 milhões.

"Esperamos da Rússia que não interfira nestes esforços humanitários", declarou Wood.

O presidente Bush, por outro lado, conversou hoje com os presidentes da Lituânia, Valdas Adamkus, e da Polônia, Lech Kaczynski, sobre o conflito armado, disse seu porta-voz.

Bush reiterou a seus colegas a solidariedade dos EUA com a Geórgia e falou com eles dos esforços diplomáticos e humanitários.

"Todos os líderes destacaram a importância de apoiar uma Geórgia soberana e livre, assim como sua integridade territorial, e coincidiram na necessidade de que a Rússia tenha que suspender a violência, cumprir o cessar-fogo e retirar suas tropas", declarou Perino.

O Governo americano decidiu ignorar as declarações do ministro de Assuntos Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, que afirmou hoje que a integridade territorial da Geórgia não é plena e que será impossível devolver a Ossétia do Sul e a Abkházia a este país.

O Governo de George W. Bush afirma que a Rússia "fanfarrona" quando faz estas declarações, o que faz com que Washington não comente as mesmas, afirmou Perino, Lavrov disse hoje que qualquer plano para acabar com o conflito na Geórgia que contenham as palavras "integridade territorial" será um insulto para a Ossétia do Sul e a Abkházia. EFE cae/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG