EUA diz não ter evidência que ligue nigeriano a um plano maior

Por Vicki Allen WASHINGTON (Reuters) - Não há evidência inicial de que o nigeriano acusado de tentar explodir um avião de passageiros norte-americano estava envolvido num plano maior, disse neste domingo autoridade dos Estados Unidos.

Reuters |

O envolvimento da al Qaeda, porém, é "tema de investigação", afirmou Janet Napolitano, do Departamento de Segurança Interna, depois que no sábado autoridades indiciaram Umar Farouk Abdulmutallab, de 23 anos, pela tentativa de explodir um avião acionando um dispositivo preso ao seu corpo.

O suspeito, que com queimaduras estava num hospital em tratamento, foi rendido por passageiros e pela tripulação de avião da Northwest Airlines, da Delta Air Lines, com 300 pessoas a bordo.

"Bem, agora não temos nenhuma indicação de que se tratava de parte de uma ação maior, mas a investigação continua. E nós instituímos mais medidas de controle nos aeroportos", disse Janet Napolitano, secretária de Segurança Interna dos EUA, à rede CNN.

Perguntada em programa da rede ABC se a al Qaeda tinha participação no incidente, Napolitano afirmou: "Isso é agora tema de investigação, e seria inapropriado especular."

Uma autoridade norte-americana declarou, em condição de anonimato no sábado, que os EUA investigavam a possibilidade de Abdulmutallab ter laços com a al Qaeda no Iêmen.

A primeira aparição de Abdulmutallab em corte norte-americana está prevista para segunda-feira.

Napolitano afirmou que os EUA estão revisando as regras atuais a respeito da composição das listas usadas para identificar pessoas que podem representar ameaça à segurança e também estão revendo procedimentos de checagem nos aeroportos.

O governo dos EUA criou no mês passado um arquivo para Abdulmutallab na central de inteligência, mas não havia informação suficiente para bani-lo de embarcar em aviões, de acordo com autoridades.

SISTEMA FUNCIONOU

Janet Napolitanto procurou na CNN assegurar aos turistas e viajantes.

"As pessoas estão muito, muito seguras na atual situação", disse. Segundo ela, "o sistema funcionou" para evitar um desastre.

Uma análise inicial do FBI descobriu que Abdulmutallab usou um dos explosivos empregados por Richard Reid, que em 2001 tentou explodir um avião com uma bomba escondida no sapato.

De acordo com a imprensa, a bomba de Abdulmutallab estava costurada por dentro da sua roupa de baixo.

(Reportagem Will Dunham e Corbett Daly em Washington; Kevin Krolicki em Detroit, Nick Tattersall em Lagos; e Rosalba O'Brien em Londres)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG