EUA deveriam adiar voto sobre pacto nuclear, diz Rússia

MOSCOU (Reuters) - O governo dos EUA deveria adiar a votação sobre um histórico pacto nuclear russo-americano a fim de não ser feito refém do atual embate em torno da Geórgia, disse à Reuters uma autoridade do setor nuclear da Rússia. O pacto entre as maiores potências nucleares do mundo visa abrir o crescente mercado nuclear dos EUA e as gigantescas reservas de urânio da Rússia a empresas dos dois países, cancelando as restrições adotadas na época da Guerra Fria.

Reuters |

O documento foi assinado em maio, mas precisa da ratificação do Congresso norte-americano. Uma autoridade russa disse à Reuters que seria melhor para o acordo adiar a votação até o próximo ano a fim de evitar a rejeição do pacto.

'É uma vergonha o fato de o governo dos EUA não ter conseguido fazer o Congresso aprovar esse documento naquela época', afirmou a autoridade, sob a condição de não ter sua identidade revelada.

'Caso se levem em conta os acontecimentos recentes, é improvável que o Congresso o aprove. Então, a fim de evitar que seja bloqueado, seria adequado retirá-lo da pauta e permitir que o documento seja analisado pelo novo governo'.

'A questão do uso pacífico da energia nuclear não deveria depender da situação política atual', disse.

O acordo 123, chamado assim porque está submetido à seção 123 da Lei de Energia Atômica dos EUA, é necessário antes de os países poderem cooperar no setor dos materiais nucleares.

O documento seria essencial ainda para a Parceria Global de Energia Nuclear (GNEP), que os EUA e a Rússia negociam há mais de um ano como uma forma de ampliar o desenvolvimento da utilização pacífica da energia nuclear e de mitigar os riscos da proliferação.

Caso seja ratificado pelo Congresso, o pacto deve abrir as portas para acordos com potencial de movimentar bilhões de dólares.

As relações entre os governos russo e norte-americano pioraram devido à intervenção militar da Rússia na Geórgia.

Os EUA exigiram que os russos retirem imediatamente todas as suas forças do território georgiano. A Rússia, por sua vez, reclamou que o governo norte-americano ignorou a agressão efetuada pela Geórgia.

Autoridades e congressistas dos EUA discutiram a possibilidade de adotar medidas a fim de punir a Rússia por suas ações contra o vizinho georgiano.

(Reportagem de Guy Faulconbridge)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG