EUA devem acusar ou soltar cinegrafista da Reuters, diz CPJ

NOVA YORK (Reuters) - As Forças Armadas dos Estados Unidos devem acusar ou libertar imediatamente um cinegrafista da Reuters detido no Iraque, disse na segunda-feira o Comitê de Proteção a Jornalistas (CPJ). Ali al Mashhadani, que também trabalha como freelancer para a BBC e a National Public Radio de Washington, foi detido em Bagdá em 26 de julho quando estava na Zona Verde, que abriga instalações governamentais, para passar por verificações de rotina para obter das forças americanas uma credencial de imprensa.

Reuters |

As forças americanas já detiveram Mashhadani antes. Nenhuma acusação foi formulada contra o cinegrafista, residente em Ramadi, capital da província de Anbar, no oeste do Iraque.

'Esta é a terceira vez que as forças americanas prendem Ali al Mashhadani e o mantêm detido sem acusações', disse Robert Mahoney, vice-diretor do CPJ, organismo com sede em Nova York que defende os direitos dos jornalistas.

'Os militares nunca comprovaram qualquer delito que ele tenha cometido. As autoridades precisam apresentar provas contra ele ou libertá-lo imediatamente', disse Mahoney.

A Reuters e a BBC pediram às forças americanas que libertem Mashhadani imediatamente ou apresentem evidências que justifiquem sua detenção.

Um porta-voz militar dos EUA disse que Mashhadani está detido no campo Cropper, uma prisão perto do aeroporto de Bagdá, porque 'foi avaliado como ameaça à segurança do Iraque e das forças da coalizão'.

O porta-voz disse que o caso do cinegrafista será revisto esta semana. As forças americanas alegam que, pelo mandato da ONU que rege a presença de forças estrangeiras no Iraque, elas têm o direito de deter por tempo indeterminado qualquer pessoa que seja considerada um risco à segurança.

As forças americanas já haviam detido Mashhadani em agosto de 2005, depois de soldados dos EUA suspeitarem de imagens em vídeo e fotos da insurgência sunita então forte em Anbar que encontraram em suas câmeras quando revistaram sua casa em Ramadi.

Mashhadani foi detido até janeiro de 2006. Ele também foi detido por duas semanas em meados de 2006.

Robert Mahoney é ex-correspondente e editor da Reuters que entrou para o CPJ em 2005.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG