EUA descartam fechar fronteira com México pela gripe suína

Washington, 27 abr (EFE).- A secretária de Segurança Nacional americana, Janet Napolitano, descartou hoje um possível fechamento da fronteira com o México, onde se encontra o maior foco de infecções de gripe suína, mesmo porque a doença já está dentro do país.

EFE |

"A doença já está presente em vários estados do país, por isso esta medida de contenção não faz sentido agora", disse, em um encontro com a imprensa.

Ela explicou que, graças à declaração da situação de emergência adotada ontem, foi possível tomar uma série de medidas excepcionais contra a propagação da doença.

Assim, o Governo dos Estados Unidos emitiu um alerta recomendando aos americanos que cancelem qualquer viagem ao México que não seja estritamente necessária, aviso que, segundo Napolitano, vai durar o tempo que for necessário.

Além disso, começaram se a liberar as reservas de antivirais que estavam guardadas em depósitos civis e militares, e que serão totalmente distribuídas pelos estados até domingo, 3 de maio.

Além disso, os funcionários dos postos de fronteira foram orientados para exigir a comprovação do estado de saúde de todos os viajantes, especialmente procedentes do México.

Caso algum apresente sintomas de gripe, será levado para um quarto isolado para que receba um tratamento adequado.

A secretária explicou que 19 dos aeroportos do país, que cobrem o 85% das viagens internacionais, contam com uma unidade de quarentena, caso seja necessário.

Também se ordenou que todos os portos e aeroportos exibam cartazes e avisos sobre a doença, e sobre as medidas recomendadas de controle e prevenção.

O vírus da gripe suína já afetou 40 pessoas nos EUA, a maior parte -28- estudantes de uma escola de ensino médio de Nova York.

EFE pgp/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG