Washington, 23 jun (EFE).- Os Estados Unidos denunciaram hoje que o Zimbábue não tem condição de realizar eleições livres, justas e pacíficas no próximo dia 27 de junho e condenou o Governo do presidente Robert Mugabe.

A declaração de Washington, feita através de um comunicado da secretária de Estado Condoleezza Rice, aconteceu pouco depois de o líder do opositor Movimento para a Mudança Democrática (MDC), Morgan Tsvangirai, anunciar que não participará do segundo turno das eleições presidenciais.

Para Rice, "é extremamente claro que Mugabe está determinado a frustrar a vontade do povo do Zimbábue que se expressou com clareza" no primeiro turno.

A secretária também advertiu que o Governo de Mugabe não terá nenhuma legitimidade internacional caso não realize o segundo turno das eleições presidenciais.

"O regime de Mugabe não pode ser considerado legítimo na ausência de um segundo turno. Ao abandonar o princípio básico de Governo, a proteção de seu povo, o Governo do Zimbábue deve ser considerado responsável pela comunidade internacional", disse Rice.

"Solicitamos que a Comunidade para o Desenvolvimento da África Meridional, o Conselho para a Paz e Segurança da União Africana e o Conselho de Segurança das Nações Unidas se ocupem deste assunto de forma imediata", assinalou Rice.

Tsvangirai, que foi o vencedor do primeiro turno das eleições presidenciais, se retirou ontem do pleito de 27 de junho por considerar que o Governo de Robert Mugabe, seu adversário, realiza uma campanha de intimidação e violência contra opositores. EFE crd/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.