EUA defendem equilíbrio entre alerta da gripe e impacto econômico

Genebra, 19 mai (EFE).- A secretária de Saúde dos Estados Unidos, Kathleen Sebelius, afirmou hoje que é preciso chegar a um equilíbrio entre as considerações de saúde e o impacto econômico que possa ter uma eventual declaração de pandemia de gripe suína por parte da Organização Mundial da Saúde (OMS).

EFE |

"Devemos levar em conta o impacto na economia, assim como na saúde", disse Sebelius, em entrevista coletiva, sobre as propostas apresentadas ontem e hoje por vários países na 62ª Assembleia Mundial da Saúde para que flexibilizar o sistema de fases de alerta de pandemia.

"Evidentemente, há um impacto econômico no fato de falar de pandemia, e em adotar medidas e dar passos" para frear a expansão do vírus A (H1N1), disse.

"Vimos com o México, que deu passos como fechar colégios, suspender eventos (...)" e agir com transparência, e tudo isso teve um impacto econômico negativo, "como nos disse ontem o ministro da Saúde mexicano", José Ángel Córdova.

A diretora-geral da OMS, Margaret Chan, disse ontem que a organização não elevaria, por enquanto, o nível de alerta pandêmico de cinco para seis, após ouvir os discursos de vários ministros nesse sentido, e nas quais pediram que se leve em conta, além da expansão do vírus, outros aspectos.

Sebelius não quis se pronunciar com clareza sobre se os EUA estariam a favor de implantar restrições de viagens ou outras, caso fosse declarado o nível seis.

"Cada país toma suas decisões (...), nós, quando explodiu o vírus, não fechamos nossas fronteiras com o México", disse.

A secretária de Saúde disse que os EUA não fizeram nenhuma encomenda antecipada de vacinas da gripe suína às empresas fabricantes para se adiantar a uma pandemia.

Vários países em desenvolvimento e ONGs denunciaram que os países mais ricos assinaram contratos com as farmacêuticas para obter 200 milhões de doses de vacinas de gripe pandêmica.

Apesar do nome, a gripe suína não apresenta risco de infecção por ingestão de carne de porco e derivados. EFE vh/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG