emergência em saúde pública por causa de gripe suína - Mundo - iG" /

EUA declaram emergência em saúde pública por causa de gripe suína

Washington - O Governo dos Estados Unidos declarou que o país vive uma situação de emergência em saúde pública por causa do surto de gripe suína, que já afetou 20 pessoas em território americano, embora apenas uma delas tenha sido hospitalizada.

EFE |

A secretária de Segurança Nacional americana, Janet Napolitano, compareceu hoje diante da imprensa, na Casa Branca, para informar desta medida, que permitirá ao Governo liberar os recursos necessários para que estados e municípios possam fazer frente à doença.

"Parece mais grave do que é, mas declarar emergência é um procedimento padrão que permite liberar recursos para a prevenção, medicação e diagnósticos que, de outra maneira, não poderiam ser utilizados", disse Napolitano, que é a responsável máxima do Governo dos EUA neste tipo de situação.

Como parte desta medida, cerca de 12 milhões de doses do medicamento Tamiflu - oseltamivir, remédio antiviral de uso comum - serão retirados dos depósitos federais onde estão armazenados e serão distribuídos prioritariamente nos estados onde casos já foram detectados.

A secretária de Segurança Nacional informou também que os funcionários de em portos e aeroportos começarão a perguntar aos viajantes sobre sua procedência e sobre seu estado de saúde, como medida de precaução para frear a propagação da gripe suína.

Napolitano disse que não há nenhum alerta para viagens aos países onde foram detectados focos da doença, mas indicou que esta situação pode mudar e pediu aos viajantes para que se informem.

Durante a entrevista coletiva, Besser assegurou que ações agressivas estão sendo tomadas para evitar uma forte propagação da doença, embora tenha admitido que mais casos surgirão.

"O comportamento do vírus é imprevisível, mas o número de afetados continuará subindo. E veremos casos mais severos", afirmou Besser.

As ocorrências estão espalhadas pelo território americano: oito casos em Nova York, sete na Califórnia, dois no Texas, dois no Kansas e um em Ohio.

Os casos de Nova York são todos de um mesmo colégio da cidade. Na sexta-feira, cerca de 100 estudantes da instituição, alguns dos quais tinham viajado recentemente ao México, começaram a sofrer sintomas de gripe, como febre, enjôos, vômitos e dores.

Ontem, nove deles passaram por exames, sendo que oito testaram positivo para o vírus da gripe tipo A. Hoje, houve a confirmação de que estes estão com gripe suína.

O diretor interino do CDC reconheceu que o foco surgido nos EUA não é tão grave quanto o do México, onde a gripe suína matou pelo menos 22 pessoas e mais de 60 mortes estão sob suspeita de terem sido causadas pela doença.

Também participou da entrevista coletiva o assessor da Presidência americano para a Segurança Nacional, John Brennan, o qual assegurou que o presidente dos EUA, Barack Obama, está recebendo informações sobre a propagação da doença.

Segundo Brennan, o Governo está atuando de forma contundente para fazer frente a esta situação e "evitar uma epidemia em massa no país", e reconheceu que o presidente Obama, que viajou na semana passada ao México, está muito preocupado com a situação do país vizinho.

O porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, disse que, dado que o período de incubação da doença é de 24 a 48 horas, não foi necessário submeter Obama a nenhum exame médico, já que nove dias se passaram desde seu retorno do México.

Além dos casos nos EUA, o vizinho Canadá confirmou quatro ocorrências de gripe suína, todos elas em estudantes de um colégio na província da Nova Escócia, e com sintomas leves.

    Leia tudo sobre: gripe suína

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG