EUA criticam direitos humanos em Cuba e Venezuela

Washington, 25 fev (EFE).- O Governo dos Estados Unidos criticou hoje países como Venezuela, Cuba e Nicarágua em seu relatório anual sobre a situação dos direitos humanos no mundo, mas destacou avanços em outros como Colômbia e Guatemala.

EFE |

No documento, divulgado hoje pelo Departamento de Estado, o Governo denuncia que, em Cuba, aumentou a repressão à liberdade de expressão e associação, enquanto na Venezuela há uma "deterioração" dos direitos democráticos e humanos.

Grande parte do amplo relatório entregue hoje ao Congresso é dedicada à América Latina e ao Caribe, onde em alguns países foram registradas, segundo os EUA, ameaças à liberdade de imprensa, intimidações, fraude e violência em certos processos eleitorais, e o uso de referendos constitucionais para enfraquecer a liberdade democrática.

De modo geral, o Governo americano acha que as instituições eleitorais na região mantiveram a independência e o rigor adquiridos nos últimos anos, já que vários processos, como as eleições presidenciais no Paraguai, as primárias em Honduras e os referendos na Bolívia e no Equador transcorreram de maneira livre e justa.

No entanto, houve exceções no caso da Nicarágua, onde os pleitos municipais estiveram "infestados de fraude generalizada, intimidação e violência", enquanto na Venezuela quase 300 candidatos, a maioria da oposição, foram impedidos de disputar a eleição devido a infrações administrativas.

Em alguns casos, acrescenta os EUA, Governos da região usaram processos democráticos, como referendos constitucionais, para assegurar "políticas que ameaçavam enfraquecer as liberdades e instituições democráticas, reduzir os controles ou se consolidarem no Poder Executivo".

Sobre o Equador, o Departamento de Estado destaca que a nova Constituição obriga a imprensa a emitir programas governamentais, o que gera preocupações sobre a liberdade de expressão e de imprensa.

O relatório também menciona a Venezuela, onde foram aprovadas leis com aspectos de outras rejeitadas no plebiscito de 2007.

O Governo também constata "ameaças" à liberdade de imprensa, principalmente na Venezuela e na Nicarágua.

Por sua vez, a Bolívia, "de modo geral", respeitou a liberdade de imprensa, mas continuou mantendo uma relação "antagônica" com os meios de comunicação.

Em relação a Cuba, os EUA constataram que no ano passado foi intensificado o assédio a dissidentes do regime, o que aumentou o número de detenções por períodos curtos e sem apresentação de acusações para "intimidar" ativistas e impedir que eles se organizem.

Por outro lado, o Departamento de Estado avaliou a os esforços do Governo colombiano por melhorar o respeito aos direitos humanos, e destaca que os assassinatos e sequestros diminuíram em 2008.

Apesar disso, adverte, "persistem vários problemas sociais e abusos governamentais de direitos humanos".

Os EUA também elogiaram a Guatemala pelos esforços para melhorar a situação dos direitos humanos, mas destaca a violência, a impunidade e a corrupção que ainda assolam o país. EFE ca/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG