Washington, 10 set (EFE).- O subsecretário de Estado para a América Latina, Thomas Shannon, disse hoje que o pânico pela atual crise dos alimentos não deve se propagar, mas defendeu um diálogo interamericano para o alcance de uma solução mais ampla para o problema.

Shannon fez estas declarações na 12ª conferência anual da Corporação Andina de Fomento (CAF), durante a qual disse que não há razões para "pânico", apesar de ter admitido que a agenda social dos países latino-americanos é afetada pela crise alimentícia e o aumento dos preços das matérias-primas.

O diplomata acrescentou que os países da região estão tendo uma "oportunidade única" para abrir o debate interamericano sobre a crise alimentícia e os altos preços da energia, e criar "apoio político" aos países mais afetados por esses dois problemas.

"Temos a estrutura e os mecanismos para ter este debate, que é um componente muito importante para o alcance de uma solução mais ampla", afirmou Shannon.

Para o diplomata, os mecanismos de integração que surgem na região oferecem uma plataforma ótima para este debate, da mesma forma que organismos interamericanos como a Organização dos Estados Americanos (OEA) e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

EFE ca/sc

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.