A pedido do Iraque, o exército americano transferiu centenas de toneladas de urânio concentrado (Yellowcake) do Iraque para o Canadá, durante uma operação secreta que durou várias semanas, anunciou hoje o Pentágono, confirmando informações canadenses.

As 550 toneladas de urânio vendidas a uma empresa canadense, foram levadas por comboios de caminhões para a "Zona Verde" de Bagdá. O urânio foi, em seguida, transportado em aviões militares para um terceiro país, de onde foi transferido de navio para o Canadá, declarou um porta-voz do Pentágono, Bryan Whitman.

"A operação foi concluída no final de semana passado", explicou.

O "Yellowcake" havia sido descoberto pelas tropas americanas após a invasão do Iraque em 2003 no sítio nuclear de Tuwaitha ao sul de Bagdá e colocado sob o controle da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).

Segundo Whitman, o governo iraquiano pediu ajuda dos Estados Unidos para vender e transferir este urânio para um outro país. O custo do transporte chegou a 70 milhões de dólares, e Bagdá aceitou pagar uma parte das despesas.

Foram necessários 110 contêineres para armazenar o urânio, informou o porta-voz do Pentágono, acrescentando que não restará, oficialmente, "Yellowcake" no Iraque.

Domingo, a imprensa e a sociedade canadense Cameco, que comprou o urânio, haviam anunciado a chegada no porto de Montreal de um carregamento de urânio natural concentrado proveniente do Iraque.

Segundo a rede pública canadense CBC, a Cameco adquiriu essas 550 toneladas de "Yellowcake", por várias dezenas de milhões de dólares.

Precisou que o carregamento será encaminhado às instalações nucleares de Blind River e de Port Hope, ao norte de Toronto (Ontário).

O "Yellowcake" é um concentrado de urânio, um pó insolúvel na água e que contém cerca de 80% de uraninita. Serve à preparação de combustível para as centrais nucleares, mas pode também ser enriquecido na perspectiva de fabricação de armas nucleares.

jm/chl/sd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.