EUA confirmam 1ª vítima fatal no terremoto do Haiti

(Atualiza com identidade da vítima) Washington, 14 jan (EFE).- O Governo dos Estados Unidos confirmou hoje a primeira vítima fatal de nacionalidade americana no terremoto de 7 graus de magnitude na escala Richter que assolou o Haiti, informou o departamento de Estado.

EFE |

O porta-voz do departamento de Estado Philip Crowley confirmou em entrevista coletiva a morte de uma funcionária do departamento de Cultura da embaixada americana em Porto Príncipe.

Victoria DeLong, que morreu em sua casa que caiu devido ao terremoto, era funcionária do departamento de Estado desde 1983 e estava trabalhando no Haiti desde fevereiro de 2009.

Os Estados Unidos se comprometeram em ajudar o Haiti e membros da 82ª Divisão Aerotransportada do Exército americana chegarão hoje à ilha, para contribuir com as tarefas de segurança de uma força de paz das Nações Unidas composta por 7 mil homens.

Crowley disse que pelo menos 164 americanos foram retirados desde que aconteceu o terremoto no Haiti, onde segundo o departamento de Estado moram cerca de 45 mil cidadãos do país.

O porta-voz assinalou que um avião C-130 da Guarda Litorânea evacuou 42 funcionários americanos e suas famílias, além de outros 72 cidadãos que estão a salvo.

Está previsto que ao longo de hoje saiam da ilha outros 370 cidadãos americanos em diferentes voos.

Os EUA se comprometeram a ajudar o Haiti e membros da 82ª Divisão Aerotransportada do Exército americano chegarão hoje à ilha, para contribuir às tarefas de segurança de uma força de paz das Nações Unidas composta por 7.000 homens.

"Pelo menos 30 países prepararam uma assistência significativa, que já chegou ao Haiti ou está a caminho. Portanto o compromisso com o Haiti é cada vez maior não só nos Estados Unidos, mas também é um compromisso internacional", disse.

"O terremoto de 7 graus na escala Richter aconteceu às 19h53 de Brasília da terça-feira e teve epicentro a 15 quilômetros de Porto Príncipe, a capital do país. A Cruz Vermelha do Haiti estima que o número de mortos ficará entre 45 mil e 50 mil.

Ontem, o primeiro-ministro do país, Jean Max Bellerive, havia falado de "centenas de milhares" de mortos.

O Exército brasileiro confirmou que pelo menos 14 militares do país que participam da Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (Minustah) morreram em consequência do terremoto.

A brasileira Zilda Arns, fundadora e coordenadora da Pastoral da Criança, ligada à Igreja Católica, também morreu no tremor." EFE elv/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG