EUA condenam cinco homens por complô para explodir o Sears Tower

Um tribunal federal do júri de Miami, nos Estados Unidos, condenou, nesta terça-feira, cinco homens por planejarem um atentado a bomba contra o Sears Tower, em Chicago, além de ataques contra escritórios do FBI (a polícia federal americana) espalhados pelo país. O Sears Tower é o mais alto edifício dos EUA e o terceiro mais alto do mundo.

BBC Brasil |

Um sexto homem, Naudimar Herrera, de 25 anos, que também havia sido acusado de planejar os atentados, foi considerado inocente pelo júri, de acordo com informações do jornal The Miami Herald.

Os promotores acusaram os seis réus de conspirarem para fornecer apoio material à rede extremista Al-Qaeda, enquanto a defesa deles argumentou que as acusações haviam sido "forjadas" pelo FBI.

Este foi o terceiro julgamento do grupo, que foi preso em junho de 2006. Os veredictos foram alcançados após seis dias de deliberações.

Os outros júris que analisaram o caso não conseguiram chegar a um acordo se o complô para cometer os atentados era real.

Um sétimo homem, que também era acusado de fazer parte do grupo, já havia sido inocentado nos julgamentos anteriores. O grupo era conhecido como "os sete de Liberty City", em uma referência a um bairro pobre de Miami.

Os condenados agora podem pegar penas que vão de 30 a 70 anos de prisão.

As sentenças dos cinco condenados serão conhecidas no próximo dia 27 de julho.

Informante
O FBI gravou fitas de áudio e vídeo onde os homens discutiam com um informante disfarçado da polícia planos para causar uma insurreição contra o governo dos EUA.

Narseal Batiste, de 35 anos, considerado o líder do grupo, foi flagrado dizendo que eles deveriam começar "uma ampla guerra em solo" que "mataria todos os demônios".

Os advogados dos condenados - quatro americanos e um haitiano - afirmaram que eles não estavam sendo sérios a respeito dos ataques e que teriam seguido adiante com o complô para conseguir dinheiro do informante disfarçado.

Batiste, condenado por quatro acusações relacionadas à conspiração para o terrorismo, pode pegar até 70 anos de prisão.

Patrick Abraham, de 29 anos, considerado o "braço direito" do líder, foi condenado em três acusações e pode pegar 50 anos de detenção.

Os outros três homens, Burson Augustin, Rotschild Augustine e Stanley Grant Phanor, podem ser condenados a penas de 30 anos de detenção.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG